Leonardo Torres


 

Desembargadores, Juízes e Políticos - como funciona a troca de favores

15/08/2011

Entrevista direta no fígado: esta Ministra deveria ser cogitada para ir para o Supremo. Vejam sua franqueza e coragem

 

A ministra Eliana Calmon, a corregedora do CNJ: "Eu sou uma rebelde que fala"

A corte dos padrinhos.

A nova corregedora do Conselho Nacional de Justiça diz que é comum a troca de favores entre magistrados e políticos

 

Em entrevista a VEJA, Eliana Calmon mostra o porquê de sua fama.

Ela diz que o Judiciário está contaminado pela politicagem miúda, o que faz com que juízes produzam decisões sob medida para atender aos interesses dos políticos, que, por sua vez, são os patrocinadores das indicações dos ministros.

Por que nos últimos anos pipocaram tantas denúncias de corrupção no Judiciário?

Durante anos, ninguém tomou conta dos juízes, pouco se fiscalizou. A corrupção começa embaixo. Não é incomum um desembargador corrupto usar o juiz de primeira instância como escudo para suas ações. Ele telefona para o juiz e lhe pede uma liminar, um habeacorpus ou uma sentença. Os juízes que se sujeitam a isso são candidatos naturais a futuras promoções. Os que se negam a fazer esse tipo de coisa, os corretos, ficam onde estão.

A senhora quer dizer que a ascensão funcional na magistratura depende dessa troca de favores?

O ideal seria que as promoções acontecessem por mérito. Hoje é a política que define o preenchimento de vagas nos tribunais superiores, por exemplo. Os piores magistrados terminam sendo os mais louvados. O ignorante, o despreparado, não cria problema com ninguém porque sabe que num embate ele levará a pior. Esse chegará ao topo do Judiciário.

Esse problema atinge também os tribunais superiores, onde as nomeações são feitas pelo presidente da República?

Estamos falando de outra questão muito séria. É como o braço político se infiltra no Poder Judiciário. Recentemente, para atender a um pedido político, o STJ chegou à conclusão de que denúncia anônima não pode ser considerada pelo tribunal.

A tese que a senhora critica foi usada pelo ministro Cesar Asfor Rocha para trancar a Operação Castelo de Areia, que investigou pagamentos da empreiteira Camargo Corrêa a vários políticos.

É uma tese equivocada, que serve muito bem a interesses políticos. O STJ chegou à conclusão de que denúncia anônima não pode ser considerada pelo tribunal. De fato, uma simples carta apócrifa não deve ser considerada. Mas, se a Polícia Federal recebe a denúncia, investiga e vê que é verdadeira, e a investigação chega ao tribunal com todas as provas, você vai desconsiderar? Tem cabimento isso? Não tem. A denúncia anônima só vale quando o denunciado é um traficante? Há uma mistura e uma intimidade indecente com o poder.

Existe essa relação de subserviência da Justiça ao mundo da política?

Para ascender na carreira, o juiz precisa dos políticos. Nos tribunais superiores, o critério é única e exclusivamente político.

Mas a senhora, como todos os demais ministros, chegou ao STJ por meio desse mecanismo.

Certa vez me perguntaram se eu tinha padrinhos políticos. Eu disse: “Claro, se não tivesse, não estaria aqui”. Eu sou fruto de um sistema. Para entrar num tribunal como o STJ, seu nome tem de primeiro passar pelo crivo dos ministros, depois do presidente da República e ainda do Senado. O ministro escolhido sai devendo a todo mundo.

No caso da senhora, alguém já tentou cobrar a fatura depois?

Nunca. Eles têm medo desse meu jeito. Eu não sou a única rebelde nesse sistema, mas sou uma rebelde que fala. Há colegas que, quando chegam para montar o gabinete, não têm o direito de escolher um assessor sequer, porque já está tudo preenchido por indicação política.

Há um assunto tabu na Justiça que é a atuação de advogados que também são filhos ou parentes de ministros. Como a senhora observa essa prática?

Infelizmente, é uma realidade, que inclusive já denunciei no STJ. Mas a gente sabe que continua e não tem regra para coibir. É um problema muito sério. Eles vendem a imagem dos ministros. Dizem que têm trânsito na corte e exibem isso a seus clientes.

E como resolver esse problema?

Não há lei que resolva isso. É falta de caráter. Esses filhos de ministros tinham de ter estofo moral para saber disso. Normalmente, eles nem sequer fazem uma sustentação oral no tribunal. De modo geral, eles não botam procuração nos autos, não escrevem. Na hora do julgamento, aparecem para entregar memoriais que eles nem sequer escreveram. Quase sempre é só lobby.

Como corregedora, o que a senhora pretende fazer?

Nós, magistrados, temos tendência a ficar prepotentes e vaidosos. Isso faz com que o juiz se ache um super-homem decidindo a vida alheia. Nossa roupa tem renda, botão, cinturão, fivela, uma mangona, uma camisa por dentro com gola de ponta virada. Não pode. Essas togas, essas vestes talares, essa prática de entrar em fila indiana, tudo isso faz com que a gente fique cada vez mais inflado. Precisamos ter cuidado para ter práticas de humildade dentro do Judiciário. É preciso acabar com essa doença que é a “juizite”.

Abraços,

Leonardo Torres

_____________________________________________________________________________________

O CASTIGO DE FHC

 

FHC completou 80 anos no dia 18 deste mês. Como presente dos filhos, viu a mídia revelar que caiu no conto da barriga. Dois exames de DNA feitos em SP e Nova York, segundo revelou a imprensa, deram negativo: FHC não é o pai biológico do filho da jornalista da Globo, Miriam Dutra. FHC traiu D. Ruth e foi traído pela amante. Um bom castigo – corneou e foi corneado. FHC bem que poderia ter passado sem esse mico se seus filhos não fossem tão gananciosos. De olho na herança quando ele for desta para melhor, eles exigiram a comprovação da paternidade através do DNA. Segundo juristas, essa negativa do DNA não muda nada, uma vez que FHC assumiu espontaneamente a paternidade do filho. O que é ruim nesse imbróglio é que o filho da jornalista, hoje com 19 anos, não sabe quem é seu biológico. Há rumores de que é um diplomata do Itamarati, mas FHC disse que o pai biológico pode ser o Serra. Muito constrangedor tudo isso para o jovem, que não tem culpa nenhuma nesse rolo. Como fica essa tragicômica confusão? Fica como está, tem coisas que quanto mais mexe mais fede. FHC se recusa a falar no assunto, e isso é natural – como dizia Rubens Ricupero, o que é bom a gente a mostra, o que é ruim a gente esconde. Ser corno da amante deve ser uma coisa muito ruim.

 

Abraços,

 

Leonardo Torres

_________________________________________________________________________________________________________________

 


 

 Eu ajudei a destruir o Rio !

 

 

ARTIGO SIMPLESMENTE ÓTIMO!

Fonte: Jornal de Brasília

EU AJUDEI A DESTRUIR O RIO!

Sylvio Guedes  

Sylvio Guedes, editor-chefe do Jornal de Brasília, critica o "cinismo" dos jornalistas, artistas e intelectuais ao defenderem o fim do poder paralelo dos chefes do tráfico de drogas.

Guedes desafia a todos que "tanto se drogaram nas últimas décadas que venham a público assumir: eu ajudei a destruir o Rio de Janeiro".

Leia o artigo na íntegra:

É irônico que a classe artística e a categoria dos jornalistas estejam agora na, por assim dizer, vanguarda da atual campanha contra a violência enfrentada pelo Rio de Janeiro.

Essa postura é produto do absoluto cinismo de muitas das pessoas e instituições que vemos participando de atos, fazendo declarações e defendendo o fim do poder paralelo dos chefões do tráfico de drogas.

Quando a cocaína começou a se infiltrar de fato no Rio de Janeiro, lá pelo fim da década de 70, entrou pela porta da frente.

Pela classe média, pelas festinhas de embalo da Zona Sul, pelas danceterias, pelos barzinhos de Ipanema e Leblon.

Invadiu e se instalou nas redações de jornais e nas emissoras de TV, sob o silêncio comprometedor de suas chefias e diretorias.

Quanto mais glamuroso o ambiente, quanto mais supostamente intelectualizado o grupo, mais você podia encontrar gente cheirando carreiras e carreiras do pó branco.

Em uma espúria relação de cumplicidade, imprensa e classe artística (que tanto se orgulham de serem, ambas, formadoras de opinião) de fato contribuíram enormemente para que o consumo das drogas, em especial da cocaína, se disseminasse no seio da sociedade carioca - e brasileira, por extensão.

Achavam o máximo; era, como se costumava dizer, um barato.

Festa sem cocaína era festa careta.

As pessoas curtiam a comodidade proporcionada pelos fornecedores: entregavam a droga em casa, sem a necessidade de inconvenientes viagens ao decaído mundo dos morros, vizinhos aos edifícios ricos do asfalto.


Nem é preciso detalhar como essa simples relação econômica de mercado terminou.

Onde há demanda, deve haver a necessária oferta.

E assim, com tanta gente endinheirada disposta a cheirar ou injetar sua dose diária de cocaína, os pés-de-chinelo das favelas viraram barões das drogas.

Há farta literatura mostrando como as conexões dos meliantes rastacuera, que só fumavam um baseado aqui e acolá, se tornaram senhores de um império, tomaram de assalto a mais linda cidade do país e agora cortam cabeças de quem ousa lhes cruzar o caminho e as exibem em bandejas, certos da impunidade.

Qualquer mentecapto sabe que não pode persistir um sistema jurídico em que é proibida e reprimida a produção e venda da droga, porém seu consumo é, digamos assim, tolerado.

São doentes os que consomem.

Não sabem o que fazem.

Não têm controle sobre seus atos.

Destroem famílias, arrasam lares, destroçam futuros.

Que a mídia, os artistas e os intelectuais que tanto se drogaram nas três últimas décadas venham a público assumir:

"
Eu ajudei a destruir o Rio de Janeiro."

Façam um adesivo e preguem no vidro de seus Audis, BMWs e Mercedes.

BANDO DE HIPÓCRITAS !!!

Fraternalmente,

 Perdoa àqueles que te fizeram algum mal, mas não esqueças seus nomes.

 “A passagem do tempo deve ser uma conquista e não uma perda.”

“Viver é a única coisa que não dá para deixar para depois.”

--
Sds,
Leonardo Torres

 

 

Nossa opinião sobre a nova Lei

de Imprensa Brasileira

        Sem dúvida precisamos urgentemente de uma reforma na nossa Lei de Imprensa tanto para garantir o direito da pessoa, como para garantir o direito de informação e de veiculação de notícia. A influência que a mídia exerce sobre uma sociedade é imensa. Tanto que é chamado de quarto poder. Então, pelas mesmas razões que a sociedade democrática de direito protege o cidadão na relação com o Estado, deve protegê-lo na relação com mídia. Uma observação importante: essa proteção deve se dar sem aplicação de censura prévia, contudo a fonte de informação, (pessoa física ou jurídica) que ataca o cidadão com calúnias e causa prejuízos à sua vida e de seus familiares, deve ser responsabilizado por isso perante a lei. Não se pode admitir que maus jornalistas, como: Arnaldo Jabor (Globo), Diogo Nainardi, Reinaldo Azevedo (Revista Veja) , Boris Casoy Rede Bandeirantes) e tantos outros enganadores da opinião pública, utilizem a grande mídia para realizarem ataques às pessoas inocentes, causando-lhes grande mal prejudicando sua vida e de seus familiares. A pessoa que ataca, mente, macula imagens e destroe vidas, deve ser responsabilizada e punida por seus atos perante a lei. E isto jamais deveria ser visto como “censura”!!! é simplesmente uma questão de responsabilidade com a notícia, comprometimento com a verdade e respeito aos direitos fundamentais do cidadão garantidos pela constituição brasileira.

        Não dá para os donos de grandes mídias quererem ser tratados como um particular quando xinga um vizinho; não dá para tratar uma informação na grande mídia, que pode acabar com a vida de um desconhecido, um político, um artista, como vizinho que xinga vizinho. Não dá para aplicar a mesma legislação, porque são situações muito diferentes. O abuso de poder, o ato de má fé, as notícias editorializadas têm que ser punidas com muita seriedade. Concessões das emissoras de TV têm que ser licitadas periodicamente. Olha a que ponto chega a loucura da legislação brasileira: a TV é a única propriedade, em todo país, que não pode ser desapropriada pelo Estado. Tudo que for objeto de apropriação humana (diferente do ar, florestas, etc.), pode ser desapropriado: a tua roupa, a câmera fotográfica, teu relógio, tua casa pode ser desapropriada. Uma estação de TV, não. Até concordo que não deveria haver desapropriação, porque daria muito poder ao Executivo. Mas compor um órgão democrático para, pelo menos, fazer licitações periódicas, sim. É preciso reformar a Constituição, uma Proposta de Emenda Constitucional (PEC).

        Em qualquer outra concessão, energia, água, telefonia, etc.? É preciso licitação. TV, não. Como se pode ter um contrato de concessão de serviço público de renovação automática? Submetê-lo à licitação seria trazer o mínimo de valor republicano, democrático e moral para o setor de rádio e TV. Se você aplicar valores liberais de mais de 200 anos, como é o caso das licitações no serviço público, já consegue uma baita democratização. Por que a família Marinho (dona da Globo) é mais cidadã do que a minha família, para ser dona de uma rede de TV? Para fazer essa concorrência, poderia se compor uma comissão conjunta do Congresso, Judiciário, Executivo, ou da sociedade civil. Quer ser dono da Globo? Vai ter que concorrer com outros empresários, oferecer contrapartidas à sociedade? Em dinheiro, em tempo para programas educacionais, em obrigações em relação aos conteúdos.

         Temos uma situação inconstitucional na questão da radiodifusão. Isso porque a Constituição expressa, em seus artigos 220 e 224, que no Brasil não é permitido monopólio ou oligopólio nos meios de comunicação. Sendo assim, penso que o Brasil precisa de uma lei democrática, que pense na defesa do cidadão diante de algum ataque ou divulgação de informações falsas e que cause prejuízo à sua vida.

 

    

Abraços,

Leonardo Torres


MEUS CAROS AMIGOS,

    O texto abaixo é dedicado aqueles que são partidários do PIG - Partido da Imprensa Golpista, e por vezes fazem críticas a gestão do atual governo, me enviam E_Mail e pedem para que não sejam citados. Um alerta: Quando receber críticas que julgar injustificáveis, fantasiosas e que venham a macular a imagem daqueles que teem sua vida pautada na prática dos bons costumes, irei rebate-las e o nome desta pessoa, (apenas o nome) será sim, citado em meus textos. Pois, no meu site, trabalho apenas com fatos, tenho a coragem de me expor, tenho nome, endereço e telefone ao alcanse de todos. 

    Sou a favor da democracia exercida com responsabolidade e do direito ao livre pensar. Respeito a opião de todos, mas também quero exercer meu direito a cidadania, podendo assim escrever, expor meu livre pensar, concordar e quando julgar oportuno, discordar e rebater as críticas descabidas e oportunistas.  Entendo que ser cidadão é respeitar e participar das decisões da sociedade,  melhorar suas vidas a de outras pessoas. Ser cidadão, é saber conviver com as diferenças e sobretudo, ser transparente. Ser cidadão é ter compromissos com a sociedade, é ter responsabilidade com a informação, é saber diversificar a fonte da informação para não comenter injustiças e ampliar a voz dos imbecis que torcem pela instabilidade de nossas instituições e não se importam com isso.

 

Resposta a um amigo que não gostou de ver seu nome citado em meu texto:


     Não se preoculpe que apenas o sobrenome "Vial", aparece alguma vezes em minhas citações. Tive o cuidado de não expor seu E_Mail e tal-pouco seu telefone.
   
    Se você pesquisar no google, vai ver que existe uma infinidade de empresas com Razão Social e pessoas que teem sobrenome "Vial". Você não estará se comprometendo, absolutamente!!! Mas... meu amigo, você é ou não é oposição?...viva o livre pensar e a democracia!!!...Difícil ser transparente? Às vezes, fico me perguntando: "Por que é tão difícil ser transparente?"
 
    Costumamos acreditar que ser transparente é simplesmente ser sincero, não enganar os outros. Mas ser transparente é muito mais do que isso. É ter coragem de se expor, de ser frágil, de chorar, de falar do que a gente sente... Ser transparente, é desnudar a alma, é deixar cair as máscaras, baixar as armas, destruir os imensos e grossos muros que nos empenhamos tanto para levantar... Ser transparente é permitir que toda a nossa doçura aflore, desabroche, transborde e que todos saibam o que queremos e como realmente somos! Mas iinfelizmente, quase sempre, a maioria de nós decide não correr esse risco. Preferimos a dureza da razão à leveza que exporia toda a nossa fragilidade. Preferimos o nó na garganta às lágrimas que brotam do mais profundo de nosso ser... Preferimos nos perder numa busca insana por respostas imediatas à simplesmente nos entregar e admitir que não sabemos, que temos medo! Por mais doloroso que seja ter de construir uma máscara
que nos distancia cada vez mais de quem realmente somos, preferimos assim:
manter uma imagem que nos dê a sensação de proteção...

 

      Não quero me indispor com você, pois tenho-lhe imensurável estima. Admiro-o como  grande líder, pessoa inteligente e indiscutível ser humano que és. Apredi muito com você à época em que trabalhamos juntos. Não somos obrigados a agradar a todos, mas comigo, você foi honesto e correto em suas atitudes. Por isso tenho por você, repito, grande apreço e um sentimento de gratidão que com certeza, levarei pelo resto de meus dias. Você sabe do que estou falando!!!...  Mas amigo, permita-me lhe dizer: não tenhamos medo do amanhã porque já vimos o passado e estamos adorando o dia de hoje.  Vamos ser transparentes hoje, para não pagarmos um preço muito alto manhã, mesmo com o risco que isso possa significar.
 
Um forte e sincero abraço,

Sds,
         Leonardo Torres
 
 
Caro Leonardo,
A minha troca de opiniões com o amigo não deveriam ser de dominio público.
Sds.

 Vial


Meu caro e estimado amigo Vial.


Obs. No final, E_mail recebido com os ataques do Reinaldo Azevedo/Revista "Veja", ao governo Lula.   

 

    Esse "sujeito" é um jornalista não especializado de 5ª categoria. Pra começar, veja bem a linguagem "chula", infantil que ele usa:  petralha, pretruxas, etc”. Esse senhor quer mesmo é ibope, fala mentiras sem pé nem cabeça, apenas para vender sua revista não menos descompromissada com a verdade. Para eles, vender seus exemplares é muito mais importante que a estabilidade do país.
    Total desinformação desse elemento, quando ele diz que este é o maior escândalo do governo Lula...pobre imbecil!!! não se pode falar em escândalo, pois nenhum caça para o programa F-X2 foi escolhido até o momento. Há uma preferência, já manifestada pelo Ministério da Defesa e pelo presidente, mas isso não significa que o caso esteja concluído. Não há nada de concreto sobre a escolha do Rafale, assim como não há nada de concreto entre a aliança estratégica Brasil/França. Tudo está no campo das conjecturas.
   
    É triste ver o nível da nossa imprensa…em algum pais do mundo alguém já viu esse tipo de xingamento ao presidente? Mesmo que existam indícios, ou mesmo fatos, para se tratar as divergências de forma positiva, é necessário no mínimo educação e respeito.

    Todo argumento do seu Azevedo é mal construído, ele não sabe o que esta debatendo e nem se importa. O negócio dele é ver maracutaia e falar mal do governo/PT e pronto.   
    Estamos diante um Terrorista Político, que utiliza a liberdade de expressão para cometer leviandades, e isso somente acontece porque vivermos em um país democrático onde os incautos irresponsáveis expõem suas “superopiniões” (textos sem argumento, sem discussão, onde só vale o que o autor diz). Antes de publicar algo de tamanha relevância, ele deveria pesquisar para não falar besteiras … A referência da desclassificação do Rafale na concorrência indiana é boato, e já foi desmentida pelos órgãos do país.
    Se a Veja fosse uma revista séria, exigiria no mínimo um posicionamento equilibrado de seus profissionais, até por que estando dentro de uma instituição também que a representa.
    O que dizer de uma revista que colocou o Arruda na capa dizendo que ele deu a volta por cima, sendo que ele violou o painel de votação do senado, jurou pelos seus filhos, e pela sua honra, e depois de uns dias quando viu que não tinha jeito chorou em plenário.  Para a turma da Veja, só existem os FHC´S da vida, os Kassab's, os Serra's!!! 
    A Veja, já era para ter falido a muito tempo, pois apegada às suas reportagens bombásticas, fantasiosas e sem fundamentos, age de uma maneira totalmente irresponsável e assim vem prestando um desserviço  ao Brasil, prejudicando a imagem de nossas instituições, com mentiras descabidas e enganosas. Mentiras estas, criadas por profissionais do nível dos senhores Reinaldo Azevedo e dos Mainardi's da vida, pseudos brasileiros, oriundos de uma impressa golpista que não gosta dos pobres e torce irresponsavelmente pela saída do PT do poder. Poder este, representado pela figura do presidente Lula, e que inspira em seus algozes, sua ira por não aceitar no comando da nação um ex-operário semi-analfabeto e que está mexendo no bolso da classe média alta deste país. Este governo está fazendo a maior distribuição ou transferência de renda para a classe menos favorecida de nossa sociedade. Nunca tivemos notícias de um programa com essa amplitude. Até o Banco Mundial, recetemente fez vastos elogios a este programa. Não sabem os incautos, que Programas Sociais, como o Bolsa Família, dentre outros, tem como objetivo, possibilitar às famílias que hoje recebem o Bolsa Família, colocarem seus filhos para estudar, preparando-os para o mercado de trabalho. Garantir que no futuro, esses novos cidadãos, não venham a precisar da ajuda do governo, tipo Bolsa Família, para que seus filhos possam estudar.

    Por convicções particularmente preconceituosas, essa gente não suporta ver um retirante nordestino, ex-operário e semi-analfabeto, no mais alto posto de comando de uma nação e fazer as mais profundas mudanças na vida social, política e econômica jamais vistas neste país. O governo do presidente Lula não implantou nenhum plano econômico, mas manteve uma moeda de 5 centavos valendo por 8 anos, coisa que nunca vímos neste país. Tirou da linha da pobreza mais de 24 milhões de brasileiros. Cumpriu seus compromissos internacionais e fez com que o Brasil seja respeitado lá fora. Nosso presidente somente tem recebido fartos elogios, prêmios e honrarias da imprensa internacional (enfatizo de todo o mundo), e aqui dentro, no nosso país, é desreipeitado, discriminado, atacado de maneira vil e irresponsável por uma imprensa preconceituosa e seus pseudos-jornalistas tipo Reinaldo Azevedo, Arnaldo Jabor, o mal-caráter do Boris Casoy e outras figuras que buscam notoriedade nos meios de comunicação para assim, satisfazerem  suas vaidades e necessidades bestiais.
 
Um abraço,
 
Sds,
        Leonardo  Torres

 

Insistência do Vial, em rebater minhas afirmações:

 

Leo,
Aquele titulo do lula, personalidade do ano é moeda de compra do imbecil! Só voce não viu ainda. Pelo que voce escreveu voce não lê jornal nem assiste as entrevistas dos seus estadistas. Ou sera que as declarações deles tamebm não são de verdade?
Sds.
Vial
Geologo

 

Resposta ao Vial:

 

Caro Vial,
 
     Onde foi que você viu que o título do Lula foi moeda de compra??? por favor me repasse a fonte de informação!!! vamos investigar a credibilidade da pessoa que escreveu tamanha "asneira". Hoje a única coisa que faço e gosto de fazer, é ler jornais e dedico grande parte de meu tempo a navegar na internete, na caça a informações que possam me fazer mais útil ao meu país. Apesar de ser apenas um cidadão comum, considero que tenho grande importância na vida de meus país. Busco na informação uma lógica, não deixo me induzir por falácias, repito, busco sobretudo a lógica!!! Jamais serei omisso, aliás nunca fui...quero estar sempre do lado da verdade!!! A maior lição que meu pai me ensinou, foi ser uma pessoa responsável, de caráter, honesta, respeitar ao próximo, ter virtudes, saber perdoar e ser feliz sem prejudicar aos outros. Aprendi com meu pai que devemos ter confiança nas pessoas e acreditar no ser humano.
 
     Lula é, sim, um líder mundial. Há pouco, foi escolhido pelo jornal Le Monde, da França, como a grande personalidade do ano. Dias antes foi capa do espanhol El Pais, com direito a um texto de Zapatero sobre Lula. Repito: Lula é, hoje, sim, um líder mundial. Vou adiante. Lula é, hoje, um grande líder mundial.

Abraços,
Sds,
         Leonardo Torres

 

TEXTO DO REINALDO AZEVEDO:


Não fosse essa espécie de abdução coletiva a que estamos todos submetidos, com “O Cara” deitando e rolando sobre as instituições — e a moralidade pública — , o caso dos caças Rafale seria tratado como aquilo que é:


UM ESCÂNDALO, talvez o maior do governo Lula.

Não é assim porque eu quero. É assim porque é.
 
A Índia abriu uma concorrência internacional para a compra — ATENÇÃO!!! — de 126 caças.

Valor que se dispõe a pagar a Força Aérea Indiana: US$ 10 bilhões.

Seis modelos participaram da primeira rodada de seleção: os americanos F 18 e F 16, o Eurofighter Typhoon, o  russo MiG 35, o sueco Gripen NG e o Rafale.

Só um caça foi descartado no começo da disputa: o Rafale.

Justificativa: não cumpria os requisitos mínimos de desempenho técnico exigidos pela Força Aérea Indiana.

Como vocês sabem, o Rafale é o caça que Lula decidiu comprar ao arrepio da recomendação da Aeronáutica, que é quem entende da área no Brasil.

Lula, o Homem com o Isopor na Cabeça, é especialista em outros assuntos.

Muitos indagarão:

“Mas o escândalo está em ter a Força Aérea da Índia rejeitado o Rafale, que Lula quer comprar?”

Não! Já contei onde está. É que a abdução em curso está nos impedindo de ver as coisas com a rapidez necessária.

Já chego lá. Antes, algumas outras considerações.

Ah, sim: depois de ler este post, você pode obter mais detalhes na concorrência indiana no site India Defence. Sigamos.

Enquanto o Rafale esteve na concorrência, Nicolas Sarkozy, o camelô de aviões e marido de Carla Bruni, fez o mesmíssimo lobby que vem fazendo no Brasil.

A diferença é que, na Índia, a avaliação é realmente técnica.

Por lá, não basta apenas adular o imperador absolutista, dispensar-lhe rapapés, elegê-lo “o homem do ano”, para embolsar alguns bilhões.

Desde o começo da concorrência, informam os sites indianos que trataram do assunto, o Rafale era considerado a pior alternativa entre — atenção! — SETE MODELOS.

A chamada grande imprensa, que a canalha petralha acusa de ser “antigovernista” (podem rolar de rir), se interessou pelo assunto?

Que eu tenha achado, só o Estadão Online publicou um despacho da Reuters no dia 16 de abril de ano passado.

Depois o assunto sumiu.

Como vocês sabem, a Força Aérea Brasileira também não quer o Rafale.

Entre os três caças que avaliou, preferiu o sueco Gripen NG.

Em segundo lugar, ficou o F-18. Em último, o avião francês.

Como reagiu o governo do Homem do Ano do Le Monde?

Considerou a hipótese de punir o que chamou de “vazamento” do relatório.

Onde já se viu a Aeronáutica ficar se metendo com caças?

Celso Amorim, um gigante da filosofia, ainda maior por dentro do que por fora, deu-se a especulações metafísicas:

“Às vezes, o barato sai caro”.

Samuel Pinheiro Guimarães, o chefe da banda antiamericana do governo e da Sealopra, indagou se a gente compra um carro só pensando no preço…
 
A mediocridade dessa gente é espantosa, especialmente quando tenta mimetizar Lula nas suas filosofadas e metáforas.

O que, nele, aspira a um saber popular revela-se pelo que é na boca dos doutores: BOÇALIDADE PURA E SIMPLES.

E o escândalo, além do fato de que Lula anunciou o vitorioso quando a avaliação estava em curso???

Vamos lá. A Dassault, que fabrica os Rafales, se ofereceu para vender 126 caças à Índia por US$ 10 bilhões.

Preço médio de cada avião: US$ 79.365.079,36.

O Brasil está disposto a pagar R$ 10 bilhões por 36 aviões — ou US$ 5.681.818.181.

Dividindo-se esse valor em dólar pelo número de aparelhos, chega-se ao custo unitário: US$ 157.828.282,82.

Cada Rafale para o Brasil custa quase o que o dobro do que custaria para a Índia.

Atenção:

ESTAMOS FALANDO DO MESMO MODELO DE AVIÃO E DE CONCORRÊNCIAS FEITAS AO MESMO TEMPO.

Agora entendo o que o sr. Samuel Pinheiro Guimarães quer dizer quando afirma que a gente não compra um carro só pelo preço.

No caso, parece que se compra também para agradar o fornecedor, não é mesmo?

Que, sei lá, se não tiver o coração tão duro quanto o do faraó, dá ao menos um chaveiro de presente ao comprador.

Já quanto a Amorim, o que pensar?

Nem uma antítese tornada um clichê popular resiste a este monumento, logo involuindo para a tautologia: O CARO SAI CARO!

É incrível que um dos maiores negócios do governo Lula, com jeito, história e números de negociata, se faça sob o silêncio cúmplice de boa parte da imprensa e, como não poderia deixar de ser, da oposição.

Abraços,

Leonardo Torres


RESPOSTA AO AMIGO VIAL, SOBRE DIÁLOGO ENTRE 02 MÉDICOS.

 

Obs. Diálogo no final do texto.

 

Caro amigo Vial,
 
   Todos sabemos que alguns jornais, dentre outros o Estado de S. Paulo, a Revista Veja, etc, etc, são conserva­dores, muitas vezes reacionários, claramente de direita. e que chegam ao cúmulo do absurdo em seus ataques a este governo.

   Não é apenas o presidente americano Obama que elogia o nosso presidente. Os elogios estão vindo de todos os continentes. É o presidente francês, é o presidente sul-africano, o premiê in­glês, finlandes, a alemã, presidentes de países da América Latina, etc, etc.

    Só não vêem em Lula um grande líder, pessoas preconceituosas que ainda o enxer­gam como um metalúrgico analfabeto. Esse rapaz, tal  Dr. Humberto de Luna Freire Filho "da puta, talvez", e que se intitula Dr., deve ser de classe média média ou alta. Amigo, o que piorou em sua vida com o governo Lula? O que vai melhorar com o governo Serra?  É claro que a classe média não quer enxergar em Lula um presi­dente que tem enfrentado crises econômicas internacionais como ninguém.
    Jornais do mundo inteiro como The Economist, O El País, O Le Monde, e outros não menos importantes, enchem de elogios a política social e econômica do governo brasileiro. Se ficarem lendo apenas o Estadão e a Veja, ouvindo as piadas sarcásticas do Arnaldo Jabor e da "boneca do Borys",  terá uma visão burguesa e centrada em críticas e mais críticas radicais a gestão deste governo.
    Todos nós sabemos..., somos conhecedores das estatísticas favoráveis a este governo e que mostram o quanto melhorou a vida dos menos favoreci­dos? É verdade, muitos, principalmente os mais gananciosos e impiedados, não querem que o pobre melhore de vida.    
    Meu caro amigo, não sou petista, filiado, partidário nem muito menos simpatizante de qualquer partido político. Há muito tempo que acho que o sistema eleitoral-eleitoreiro brasileiro é feito sob medida para ladrões, candidatos a ladrão e mal-intencionados em geral. Tal Sistema Político e Eleitoreiro considero como um grande esgoto a céu aberto onde o fedor contamina a consciência das massas. Mas entre o pessimismo e o otimismo, prefiro a segunda opção. O Brasil já herdou uma cultura corrupta, que tantas mazelas tem causado à nossa sociedade e precisamos dar um basta nisso. Em todos os partidos políticos do Brasil, inclusive no PT, estão infiltrados os corruptos. Todavia, coincidentemente é através deste partido, ao qual pertence nosso presidente, que estamos enxergando uma luz no fim do túnel. Estamos diante do óbvio!!! Pode até ter havido algum deslize do partido do presidente Lula, mas não se pode fechar os olhos à sua boa política econômica e social que tirado do flagelo 24 milhões de brasileiros até 2009. Temos homens sérios no comando de nossa política, diga-se de passagem, será que o povo brasileiro tem consciência da seriedade e competência do nosso presidente do Banco Central, Henrique Meirelles? do nosso Ministro da Fazenda Guido Mantega? da verdadeira história da nossa ministra da Casa Civil Dilma Rousseff? do Ministro Paulo Bernardo, dentre outros? São basicamente essas pessoas os responsáveis pelo sucesso das políticas adotadas por este governo. Algo contra estas pessoas? porque será que os ataques são mais direcionados à figura do ex-operário, metalúrgico e semi-analfabeto Luiz Inácio Lula da Silva?... Preconceito com retirante nordestino? acusado de não saber ler? Obviamente, um alvo mais fácil de ser atingido por não ter um diploma universitário e portanto mais usado para ludibriar a massa menos exclarecida. O pior cego não é aquele que não quer exergar, mas sim, aquele que finge que não enxerga!...

 
Obs. Gosto quando você me faz estes desafios, pois assim, ganho o dia com mais inspiração e mais mais segurança quanto as minhas convicções.
 
Um forte abraço,
Sds,
 
Leonardo Torres

   

 

RESPOSTA  DE UM MÉDICO,
               DR.  HUMBERTO DE LUNA  FREIRE FILHO,
                    PUBLICADA  NO “O ESTADO DE SÃO PAULO ”
              A  OUTRO MÉDICO, DR.  ALDO PACINOTO 

 

  
Carta  do Dr. Aldo Pacinoto
Date:  Thu, 4 Jun 2009 12:35:10 -0300
Subject: CARTA ESTADÃO
From:  producao197
To: hlffilh

Prezado senhor  Humberto.
Sei  perfeitamente que os leitores do jornal O Estado de S.Paulo são  conserva­dores, muitas vezes reacionários,claramente de direita.  Mas algumas car­tas chegam ao cúmulo do absurdo.
Ontem  um leitor disse que a culpa dos erros nas cartilhas do governo do  se­nhor José Serra é culpa de algum "petista infiltrado" na  Secretaria da Educação. Hoje, o senhor faz uma observação  completamente equivocada. Não é apenas o presidente americano Obama  que elogia o nosso presidente. Os elogios estão vindo de todos os  continentes. É o presidente francês, é o presidente sul-africano, o  premiê in­glês, finlandes, a alemã.

Só não vêem em Lula  um grande líder pessoas preconceituosas que ainda o enxer­gam  como um metalúrgico analfabeto. O senhor deve ser de classe média  média ou alta.
Pergunto:  o que piorou em sua vida com o governo Lula? O que vai melhorar com  o governo Serra? É claro que a classe média não quer enxergar em  Lula um presi­dente que tem enfrentado crises econômicas  internacionais como ninguém.
O senhor lê a Economist? O El País?  O Le Monde? Se ficar lendo apenas o Estadão e a Veja terá uma visão  burguesa e centrada em críticas e mais críticas.  Radical.
O  senhor sabe o quanto o atual governo melhorou a vida dos menos  favoreci­dos? O senhor não quer que ele melhore a vida dos mais  pobres? Sou mé­dico, não sou petista, sou classe média até  digamos alta. Tinha tudo para pensar como os lei­tores do  Estadão, que mandam frases de efeito, às vezes engraçadi­nhas,  que o jor­nal adora publicar. Mas, felizmente, penso exatamente  ao contrário desses leito­res. Graças a Deus e ao meu pai, que  me ensinou a olhar a vida sem radicalismos.

Atenciosamente.
ALDO  PACINOTO
Curitiba    
       

 
RESPOSTA  DO DR. HUMBERTO DE LUNA FREIRE FILHO
Date: Fri, 5 Jun  2009 01:54:52 +0000
From: hlffil
To:  producao1972@
Subject: RE: CARTA ESTADÃO

 

Prezado colega  Aldo (Também sou médico - Neurocirurgião)

Antes de mais nada  quero deixar claro que não sou eleitor do Sr.José Serra, sou  apolítico, não filiado a nenhum partido, tenho nojo de politíca, e  consequente­mente, de políticos, principalmente dos  atuais.
Sou  a favor sim, dos princípios morais, mas, para meu desapontamento,  isso transformou- se em fruta rara nos três Poderes da República no  atual go­verno. Quero também informar ao colega que leio  qualquer publicação e não só O Estado de S. Paulo e a Revista Veja,  como também já viajei por meio mundo, portanto vou responder suas  indagações com conhecimento, e o que é mais im­portante, com a  independência de um profissional liberal não comprometido com  governo nem com imprensa nem com igreja nem com sindicatos ou com  quem quer que seja.

Quanto à sua pergunta sobre o que piorou  na minha vida durante o governo Lula e as possíveis melhoras em um possível governo Serra, eu diria que não houve nem haverá nenhuma  mudança. Nem eu quero que haja, porque de go­verno, qualquer que  seja a tendência ideológica, eu só desejo uma coisa:  DIS­TÂNCIA.

Não dependo nem nunca dependi de nenhum  deles. Uma outra afirmativa sua é sobre a melhoria da vida dos mais pobres (por conta do bolsa família, ima­gino). Minha opinião é  que bolsa família não é inclusão social, é esmola, mais  pre­cisa­mente compra disfarçada de votos. O pobre não quer  esmola, quer escolas, hos­pitais, ambulatórios que funcionem na realidade. Nos palanques eleitorais já foi dito até que a medicina  pública brasileira está próxima da perfeição. Só que a cú­pula  do governo, quando precisa de assistência médica, dirige-se ao  Sirio-Libanês ou ao Hospital Israelita, e chega em São Paulo em  jatos particulares. O colega, como médico, não deve ignorar essa  realidade.

Na área rural, falta mão de obra porque o dito  trabalhador rural virou para­sita do governo, e não mais  trabalha. Para que trabalhar? eu fico em casa e no final do mês o  governo me paga. Essa foi a frase que tive que engolir, não faz  muito tempo, antes de abortar um projeto em minha propriedade rural,  que empregaria pelo menos  50 pessoas. Quando optamos pela  mecanização, vem um bando de sindicalistas hipócritas junto com a  quadrilha do MST, diga-se de passagem foras da lei e baderneiros,  financiados com dinheiro público, dizer que a máquina está tirando o  emprego no campo.

Outro item a que você se refere é sobre a  minha observação, completamente
equivocada (equivocada na sua  opinião), publicada hoje no jornal O Estado de S.Paulo. Pois é,  aquela é a MINHA observação, e eu espero que o colega a respeite  como eu respeitaria a sua, se lá estivesse publicada. E mais, se  você quiser fazer um giro maior, saindo portanto, da esfera do  Estadão e da Veja para fugir do con­servadorismo dos mesmos, (conservadorismo também opinião sua - e respeito) , verá que existem  muitas outras publicações minhas dentro do mesmo raciocínio,  coerência, independência e coragem que tenho para falar o que quero,  e assumir totalmente a responsabilidade pelo dito . Colega, por  favor, pesquise os seguintes jornais: Diário de Pernambuco  (Recife-PE), Diário da Manhã (Goiânia-GO), Gazeta do Povo  (Curitiba-PR) , O Dia (Rio de Janeiro-RJ), Jornal O Povo(Fortaleza-  CE) e outros, além de dezenas de sites e blogs.

Agora faço a  minha primeira pergunta: são todos conservadores e  reacioná­rios? Não! são independentes. Não são parte da imprensa  submissa e remunerada com dinheiro público, não fazem publicidade da  Petrobras, do Banco do Brasil, da Caixa Economica Federal, do PAC, e  o mais importante, não recebem ordens de Franklin Martins, (o Joseph GoebbelsTupiniquin) , manipulador de informações,  prestidigi­tador que usa o vulnerável substrato cultural  brasileiro, para transformar câncer em voto.

E para encerrar,  permita-me fazer mais essas perguntas: O The Economist, o El País,O  Le Monde etc. informaram a opinião pública européia sobre as dezenas  de escândalos financeiros e morais ocorridos no País nos últimos  sete anos, e que permanecem impunes por pressão do grande lider e  asseclas? Infor­maram que o Congresso Nacional está tomado por  uma quadrilha manipulada pelo Executivo ( 80% envolvidos em algum  tipo de delito) e que conseguiram extinguir a oposição? Informaram  que a maior empresa brasileira é estatal e ao mesmo tempo usufruto  do governo, e que o mesmo tenta desesperadamente blindá-la contra  qualquer fiscalização? Informaram que 40% dos ministros e  ex-ministros desse governo respondem a processos por malversação de  dinheiro público?

Eu acho que os chefes de estados da Europa  não sabem dessas particularida­des. Por muito menos estão  rolando cabeças no Parlamento Britânico, e com uma grande diferença,  o dinheiro lá desviado é devolvido aos cofres públi­cos;  enquanto aqui parte é rateada; parte é para pagar bons advogados, e  outra parte é incor­porada ao patrimônio do ladrão.

Casos  exaustivamente comentados na imprensa vem ocorrendo há anos com pelo  menos cinco indivíduos que hoje fazem parte ativa da base de  sustentação do grande líder. Isso para não falar de coisas mais  graves como os assassinatos dos prefeitos de Campinas e de Santo  André, envolvendo verbas de campanha. Crimes esses nunca  esclarecidos e cujos cadáveres permanecem até hoje no armário do PT.  Portanto, ver Luiz Inácio Lula da Silva como um líder é querer forçar um pouco. Para mim, ele não passa de papagaio de pirata de  Hugo Chavéz. Veja a sua última pérola: "O Brasil acha petróleo a 6  mil metros de pro­fundidade, por que não acha um avião a 2 mil".  Isso não é pronunciamento de lí­der em um evento público  envolvendo dezenas de chefes de estado. Isso cairia bem em reunião  de sindicato ou em mesa de botequim. Caracteriza oportunismo  vulgar.

Moro no Brasil, sei ler e não sinto azia quando leio.  Não sou preconceituoso nem radical, modéstia a parte, sou esclarecido, e se combater corrupção é radica­lismo, aí sim, sou  RADICAL, e estou pronto para qualquer coisa como todo nor­destino.. . de  caráter.

 
Atenciosamente.
Humberto de Luna Freire  Filho
São Paulo


RESPOSTA AO AMIGO VIAL, SOBRE UM BLOG DE UMA TAL "ADRIANA VANDONI" QUE ESTÁ CENSURADO POR ORDEM JUDICIAL!

 

Vejam no final, o texto desta senhora sobre o governo Lula.

Caro amigo Vial,
 
 
  Quem é essa tal de ADRIANA VANDONI? Acho que ninguém, até então, sequer a conhecia. Melhor é não dar bolas e nunca responder a esse tipo de agressão, não ampliar a voz dos imbecis. É lógico que às vezes, todos nós temos a vontade de fazer críticas ou rebater opiniões. Ok, mas como saber se ultrapassamos os limites? " A liberdade de expressão é um direito de todo cidadão. O problema é quando alguém deixa a discussão de lado e parte para ofensas pessoais. Esta é a fronteiras que não se pode atravessar.
    Existe uma nova modalidade na internete, que é o cyberbullying, versão virtual do bullying escolar, praticado especialmente por pessoas que precisam ser notadas ou necessitam estar em evidência e praticam o terrorismo psicilógico ou usam a intimidação para que isso aconteça. No bullying, uma pessoa ou grupo elegem alguém como vítima para atacar, ser alvo de fofocas, difamações e provocações. Quem faz cyberbullying sofre de algum tipo de desajuste social e baixa auto-estima.
    Exemplos típicos são os comentários irresponsáveis e tendenciosos de pessoas como o Reinaldo Azevedo/veja, Diogo Mainardi/veja, Ali-Camel - Rede Globo, Joelmir Beting-Band e do mal-carater do Boris Casoy inimigo dos garis e de todos os pobres deste país. Este último, coitado, vive pulando de emissora, ninguém suporta mais suas mentiras. O Rainaldo Jabor, com seus comentários ácidos e raivosos, recheados de insinuações, sem apontar nada de concreto, vive a nos "azucrinar", induzindo pessoas inocentes a acreditar em suas mentiras.  Agora vem essa tal de ADRIANA VANDONI, querer notoriedade e o pior é que existem pessoas que dão ouvidos a essa gente. Vocês sabem do percentual de aceitação do governo Lula hoje? amigos...este percentual está em 82,7%!!!
   O presidente Luiz Inácio Lula da Silva recebeu, em Dezembro passado, o prêmio "Brasileiro do Ano", oferecido pela revista IstoÉ. Segundo a revista, o presidente será homenageado por sua contribuição para elevar o Brasil à posição de protagonista de uma nova ordem mundial e pela maneira como o País enfrentou e superou a crise econômica.
    Esta é a terceira vez que Lula é agraciado com o prêmio. Em 2006, o presidente foi homenageado pelas conquistas sociais, econômicas e políticas obtidas naquele ano. Em 2002, ainda como presidente eleito, Lula dedicou o prêmio ao povo brasileiro. Em Londres, na Inglaterra, recebeu recentemente um prêmio concedido pela Chatham House por sua atuação nas relações internacionais e na condução da política econômica e social brasileira.
A Chatham House, localizada na Whitehall, o centro político de Londres, instituto de assuntos internacionais do Reino Unido, concede o prêmio anualmente e decidiu premiar Lula como forma de reconhecimento por sua atuação no sentido de reduzir a pobreza no Brasil por meio de políticas econômicas que mantiveram o equilíbrio fiscal e evitaram o aumento da inflação. O site da Chatham House cita também a atuação de Lula na solução de crises regionais e o estabelecimento da missão de paz no Haiti, além do fortalecimento da inserção do Brasil no cenário global e sua atuação para fomentar o consenso nos foros multilaterais econômicos e comerciais. Aqui neste salão histórico, o nosso presidente recebeu o prêmio de estadista do ano concedido pela instituição. O presidente escutou elogios à sua atuação no combate à pobreza, ao seu apoio à democracia, a sua contribuição para a estabilidade política na América Latina, à atuação brasileira no Haiti e à estabilidade da economia nacional. Lula agradeceu à homenagem e defendeu em seu discurso a maior ambição do Brasil perante a comunidade internacional: um acento permanente no Conselho de Segurança da ONU. Será que estamos todos cegos, somos mesmo imbecis, ou estão querendo subestimar a inteligência do povo brasileiro? Alguma coisa de boa, existe neste governo, não consigo enxergar diferente.
    O pobre desinformado é massa de manipulação, mas nós que nos interessamos e podemos ter uma participação mais ativa na vida política deste país, não podemos deixar de repudiar as mentiras, que escrevem e publicam na internete ou em qualquer outro meio de comunicação em massa. Meu amigo Vial, sejamos realistas e otimistas com o futuro do nosso país. Estamos no caminho certo...talvez não vivamos o suficiente, as mudanças acontecerão. Tudo dependerá somente dos cidadãos. Não devemos passar a responsabilidade que é nossa, aos outros.

Um forte e sincero abraço,
Sds,
Leonardo Torres

 

TEXTO DO BLOG:

Já tivemos presidentes para todos os gostos, ditatorial, democrático, neo-liberal e até presidente bossa nova.
Mas nunca tivemos um vendedor de ilusão como o atual.
Também nunca tivemos uma propaganda à moda de Goebbels no Brasil como agora.
O lema de Goebbels era: uma mentira repetida várias vezes, se tornará uma verdade.
O povo, no sentido coletivo, vive em um jardim de infância permanente.
Vejamos alguns dados vendidos pelo ilusionista.
O governo atual diz que pagou a divida externa, mas hoje, ela está em 230 bilhões de dólares.
Você sabia ou não quer saber?
A pergunta é: pagou?
Quitou?
Saldou?
Não.
Mas uma mentira repetida várias vezes torna-se verdade.
Pagamos sim, ao FMI, 5 bilhões de dólares, o que portanto mostra apenas quão distante estamos do que é pregado para o povo.
Nossa dívida interna saltou de 650 bilhões de reais em 2003, para 1 trilhão e 600 bilhões de reais hoje, e a nossa arrecadação em 2003 ano da posse do ilusionista que foi de 340 bilhões, em 2008 foi de 1 trilhão e 24 bilhões de reais.
Este ano a arrecadação caiu 1% e, olhem bem, as despesas aumentaram 16, 5%.
Mas esses dados são empurrados para debaixo do tapete.
Enquanto isso os petralhas estão todos de bem com a vida, pois somente com nomeação já foram 108 mil, isso sem contar as 60 mil nomeações para cargos de comissão.
É o aparelhamento do Estado.
Enquanto isso os gastos com infra-esturutra só subiram apenas 1%, já as despesas com os companheiros subiram para mais de 70%.
Como um país pode crescer sem em infra-estrutura, sendo essa inclusive a parte que caberia ao governo?
O PT vai muito bem, os companheiros estão todos muito bem situados, todos, portanto, estão fora da marolinha, mas nos outros estamos sentindo o peso do Estado petista ineficiente, predador e autoritário.
Nas áreas cruciais em que se esperaria a mão forte e intervencionista do governo, ou seja, na saúde, educação e segurança o que temos são desastres e mais desastres, mortandades.
O governo Lula que fala tanto em cotas raciais para a educação, basta dizer que entre as 100 melhores universidades do mundo, o Brasil passa longe.
Já os Estados Unidos (eta capitalismo) possuem 20 universidades que estão entre as 100 melhores.
O Brasil não aparece com nenhuma.
São números.
O governo Lula também desfralda a bandeira da reforma agrária.
 
O governo anterior fez mais pela reforma agrária que o PT, mas claro, esses números não interessam.
Na verdade não deveriam interessar mesmo.
Basta dizer que reforma agrária é mais falácia do que coisa concreta em beneficio da sociedade.
Se querem saber, em todos os países onde houve reforma agrária, logo em seguida se tornaram países importadores de alimento.
A ex-URSS, Cuba e China são exemplos claros do que estou afirmando.
Mas continuamos com o discurso de reforma agrária.
A URSS quando Stalin coletivizou a terra, passou a ser importadora de alimento e consequentemente a ser um dos responsáveis pelo aumento do preço do alimento no mundo.
Entendam.
Cuba antes da comunização com Fidel, produzia 12 milhões de toneladas de açúcar do mundo, hoje não produz nem 2 milhões.
A Venezuela tão admirada por Lula produzia 4 mil quilos de feijão por hectares, depois da reforma agrária praticada pelo coronel Hugo Chaves só produz 500 kg por hectares.
Mas os socialistas não sabem nem querem saber dessas questões, o trabalho que dá para produzir, para gerar alimentos, isso porque eles tem a sociedade para lhes pagar o salário, as contas e as mordomias, além de dinheiro do contribuinte para colocar comida na sua mesa.
Mas eles não sabem nem querem saber sobre o que é produzir, cultivar, plantar alimentos.
Pois bem, os companheiros acreditam nos milagres da reforma agrária.
Dizem que estão mudando o país.
É para gargalhar..
Agora incrível, e hoje está mais do que comprovado, que com a diminuição dos impostos nos setores de eletrodoméstico fez o comércio e indústria neste setor produzir e vender mais.
O aquecimento na venda de carros também surtiu efeito com a redução de impostos.
O que fica definitivamente comprovado que imposto nesse país é um empecilho ao progresso e ao desenvolvimento.
Mas o discurso dos petistas é outro.
Ou seja, uma mentira repetida várias vezes torna-se verdade.
É o ilusionismo de Lula.


Meu caro amigo Vial,

Em 13/01/2010

 

    Concordo com você, que o Brasil tem inúmeros problemas internos no âmbito social. São visíveis nossos problemas na área da saúde, segurança pública, educação etc., etc. Nós, aposentados queremos mais, muito mais que temos... queremos um padrão de vida que faça jus aos nossos esforços quando no passado tanto nos dedicamos ao nosso trabalho e contribuímos para a Previdência Social com valores que acreditávamos, mais tarde, nos daria um melhor suporte financeiro para enfrentarmos uma aposentadoria e viver com dignidade. É próprio do ser humano achar que tem pouco e querer cada vez mais e mais. Ao contrário de muitos, agradeço a Deus pelo que tenho, pelo alimento à minha mesa, minha casa, minha família, meus amigos, minha saúde, minha vida em fim. Acredito que para vivermos, não precisamos de muito dinheiro. Algumas pessoas acham que o certo é dar aos outros apenas o excedente, o que não nos faz falta, o que para nós não serve mais ou está sobrando! Não conseguem dividir o pouco que se tem!!!

    A situação da maioria dos países africanos e alguns da América do sul são de extrema dificuldade. Essa polêmica do perdão das dívidas de países pobres é antiga. Durante um dos vários encontros do G8 acontecido Escócia, os líderes dos oito países mais ricos do mundo, se comprometeram a perdoar as contas dos países mais endividados do mundo – a maioria dos quais está na África. Num primeiro momento, eram 19 países os beneficiados com perdão total de suas dívidas: Benin, Bolívia, Burkina Faso, Camarões, Etiópia, Gana, Guiana, Honduras, Madagascar, Mali, Mauritânia, Cabo Verde, Moçambique, Nicarágua, Nigéria, Ruanda, Senegal, Tanzânia, Uganda e Zâmbia. A proposta dos dirigentes requeria a anulação total da dívida por parte da Associação Internacional de Desenvolvimento do Banco Mundial, do Fundo Monetário Internacional e do Fundo Africano para o Desenvolvimento. O objetivo final é que, livres da dívida, os países perdoados possam ter melhores condições de investir em gastos como educação infantil, saneamento e doenças como a AIDS, e ter condições de alcançar os Objetivos de desenvolvimento do Milênio, das Organizações das Nações Unidas.

      O Banco Mundial colocou em prática a Iniciativa para a Anulação da Dívida Multilateral (MDRI, em inglês). Isso quer dizer que cancelará a dívida que os países mais pobres do mundo têm com a Associação Internacional de Desenvolvimento (AID). O acordo entregará cerca de US$ 37 bilhões para o alívio da dívida desses países durante os próximos 40 anos, além dos cerca de US$ 17 bilhões que a AID já se comprometeu a conceder para a Iniciativa Reforçada para os Países Pobres Muito Endividados (PPME). 

O Japão, que ocupa a presidência rotativa do grupo, também já anunciou um gordo pacote de apoio financeiro.

    Além de coordenar posições e definir ações prioritárias para o desenvolvimento africano, líderes dos Estados Unidos, Canadá, Japão, Itália, Alemanha, França, Reino Unido e Rússia aproveitaram seu encontro anual para comunicar ao mundo ajuda financeira para o continente que mais sofre com a inflação no preço dos alimentos. Aprovaram o perdão da dívida externa dos 40 países mais pobres do mundo, no montante de 55 bilhões de dólares. 

    Como você pode ver, o presidente Lula não está agindo sozinho, são líderes do mundo inteiro empenhados nesta causa. É uma questão louvável do ponto de vista humanitário. Trata-se de uma visão política pós-fronteiras. Essa atitude faz com que sejamos admirados e respeitados pelos países do mundo inteiro. Esse E_Mail criticando o perdão das dívidas dos países pobres pelo governo brasileiro, nada mais é do que uma forma arrogante e preconceituosa daqueles que não gostam da maneira como este governo vem administrando o país. Ao contrário do Brasil, em muitos países do mundo esta iniciativa tem sido "manchete de jornal", que vem divulgando nosso país como um país solidário, responsável e preocupado com as nações de outros países do planeta. Atitude como essa, nos coloca entre as grandes nações e faz com que nosso povo, nossa pátria seja respeita e reconhecida como um país sério, integrado às causas mais nobres dentro e fora do nosso continente. Graças à política interna e externa deste governo ganhamos o respeito das comunidades internacionais e estamos a cada ano melhorando nosso posicionamento no ranking de qualidade de vida. Como disse no início, o mundo inteiro está cada vez mais sensível e solidário às causas mais nobres que envolvem as nações pobres, formando, assim, uma corrente de apoio e buscando uma forma de amenizar o sofrimento daqueles que tem fome, mas ainda não perderam as esperanças de uma vida melhor. Para aqueles que não conhecem os fatos em sua profundidade, recebem uma E_Mail com este teor e, claro, de imediato condenam o governo brasileiro, taxando-o de irresponsável, egoísta e mal administrador. Mas as estatísticas estão aí para quem quiser ver... a grande maioria da populaçã deste país não é “burra”, já percebeu o quanto este governo tem feito pelo nosso povo e é por isso que tem tamanha aceitação. Não é uma questão de nosso pobre dinheirinho esta indo pro “Beleleu”, não podemos fechar os olhos e sermos egoístas ao ponto de ignorarmos o deplorável estado de vida em que vivem nossos irmãos menos favorecidos. Atitudes como esta é típica de uma elite frustrada, de uma burguesia opressora, egoísta e que jamais aceitará um operário, semi-analfabeto fazer tanto sucesso no comando de uma nação por onde passaram tantos doutores, tantos gererais e tão pouco ou nada fizeram por nossa gente.  

 

 Um forte e sincero abraço,

Sds

       Leonardo Torres

  

LEIAM O ARTIGO ABAIXO, ENCONTRADO NA INTERNETE.

 

Procuradoria consegue manter perdão presidencial a dívidas de países africanos e sul-americanos com o Brasil

Por: Advocacia-Geral da União
Data de Publicação: 22 de janeiro de 2009

A Procuradoria Regional da União da 1ª Região (PRU1) conseguiu, na Justiça, manter o perdão concedido pelo Presidente da República às dívidas que países africanos e sul-americanos têm com o Brasil. Uma ação ajuizada por Roberto de Oliveira Aranha pedia a anulação do ato, com a alegação de que traria prejuízo ao país e que o procedimento seria competência do Congresso Nacional.

No processo, a Procuradoria sustentou que a solicitação não tinha amparo legal. A 2ª Vara Federal do Distrito Federal acolheu a defesa da PRU1, reconhecendo que não houve ilicitude no perdão da dívida estrangeira.

O artigo 84, inciso VII da Carta Magna confirma a competência do Presidente da República para celebrar tratados, convenções e atos internacionais, depois sujeitos a referendo do Congresso Nacional. Além disso, a Lei 8.665/98 permite ao Chefe do Poder Executivo a liberdade de remissão parcial de créditos externos.

A ação foi inicialmente distribuída na Seção Judiciária de Salvador, mas o Tribunal Regional Federal da 1ª Região deslocou a competência para a 2ª Vara Federal do Distrito Federal.

Entenda o caso

Desde o seu primeiro mandato à frente da Presidência da República, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva resolveu perdoar grande parte da dívida de vários países pobres da África e da América Latina. Em contrapartida, os países beneficiados devem fazer reformas econômicas e intensificar o combate à corrupção.

Além disso, os beneficiados se comprometeram a aplicar o dinheiro economizado em áreas como saúde, educação e em projetos de desenvolvimento e redução da pobreza. Outros países em desenvolvimento aderiram à iniciativa brasileira, como Rússia, Índia e China, seguidos depois pelo G8 (grupo dos países considerados desenvolvidos).

A PRU1 é uma unidade da Procuradoria-Geral da União (PGU), órgão da Advocacia-Geral da União (AGU).

 

Um forte e sincero abraço,

Sds

        Leonardo Torres


 

Caros amigos, 
    
    Dedico essa "Jóia Rara", (ver vídeo abaixo), a vocês que tanto defendem o jornalismo tendencioso e irresponsável do Boris Casoy, Arnaldo Jabor, Reinaldo Azevedo, Claudio Humberto, Joelmir Beting e tantos outros. Como diz nosso amigo Alan, é bom conhecer o verdadeiro caráter atrás da máscara daqueles que tanto tem atacado a política social deste governo.
    Esse é o perfil da burguesia, da elite do jornalismo brasileiro que por puro preconceito, odeia e discrimina o presidente Lula e seu governo. O que realmente interessa a essa gente, é causar impacto com suas reportagens bombásticas. Somente pensam em seus interesses...na frente das câmeras teem uma postura de defensor da pátria e dos pobres, quando estão em sua intimidade mostram seu verdadeiro caráter. Felizmente a maioria da população deste país já adquiriu maturidade suficiente e não está se deixando levar pela conversa de uma elite descontente com os rumos da política social deste governo. Resta a alguns amigos entenderem que o pobre pouco ler jornal, quase não assiste jornal na TV e tão-pouco se interessa por política. O pobre pensa apenas em sua sobrevivência; quer ter um trabalho digno, para ter sua casa, seu alimento e ver sua família prosperar. Os Boris Casoy's da vida, não estão nem um pouco preocupados com isso, eles querem ter audiência, querem a todo custo permanecerem na mídia e como são tidos como intelectuais, muitos que querem mostrar essa mesma capacidade, seguem a mesma linha de raciocínio desses pseudos jornalistas que vivem criando factóides políticos para desestabilizar um governo que está dando certo, mais voltado às classes menos favorecidas deste país. Vial, eu bem que te falei...coitadinho do Baris Casoy!!!
 
Um forte abraço,

Sds

       Leonardo Torres

 

Mensagem original
De: Alan Souza < prof.alan@uol.com.br >

www.youtube.com/watch?v=fOd9UvmsNto&feature=related

 

Pessoas, essa é boa para repassar aos que amam gente como Boris Casoy, Reinaldo Azevedo e Claudio Humberto, só porque eles vivem tacando pedrada no Governo. É bom conhecer o verdadeiro caráter atrás das máscaras de certos jornalistas...

A edição de ontem (31 de dezembro de 2009) do Jornal da Band exibiu, em algumas chamadas, mensagens de pessoas "comuns" desejando um feliz 2010. Tudo corria muito bem até que chegou a vez de simpáticos garis fazerem seus votos de um ano novo melhor.
Sem perceber que seu microfone estava aberto, o âncora Boris Casoy fez alguns comentários, digamos, inadequados sobre os garis contando com o apoio de sua colega de bancada, a jornalista Millena Machado.


Vejam a tal carta que um tal "Gilberto Geraldo Garbi" fez e divulgou na internete fazendo duras críticas a pessoa do Presidente Lula, ao seu governo e publicou na Internete. Após lerem essa carta, peço que leiam também nossa opinião sobre o Autor e suas convicções descabidas e exageros que beiram a total irresponsabilidade.

* Carta recebida pelo amigo Diógenes Vial através de E_Mail.

 

A carta que muitos de nós gostariam de ter escrito

 

Carta muito bem escrita, não deixem de ler. É preciso que as pessoas de bem tomem conhecimento e não fiquem se iludindo. O tempo de ilusão já passou.

 

Carta de Gilberto Geraldo Garbi para Lula.

 

Gilberto Geraldo Garbi foi um dos alunos classificados a seu tempo como UM DOS MELHORES ALUNOS DE MATEMÁTICA que já haviam adentrado o ITA, entre outras honrarias que recebeu daquela instituição.

 

Depois de graduado, desenvolveu carreira na TELEPAR, onde chegou a Diretor Técnico e Diretor Presidente, sendo depois Presidente da TELEBRAS sendo, depois, presidente da NEC.

 

A CAMINHO DOS 99,9999995%

(Gilberto Geraldo Garbi)

 

Há poucos dias, a imprensa anunciou amplamente que, segundo as últimas pesquisas de opinião, Lula bateu de novo seus recordes anteriores de popularidade e chegou a 84% de avaliação positiva.

 

É, realmente, algo nunca antes visto nesse país e eu fiquei me perguntando o que poderemos esperar das próximas consultas populares.

Lembro-me de que quando Lula chegou aos 70% achei que ele jamais bateria Hitler, a quem, em seu auge, a cultíssima Alemanha chegara a conceder 82% de aprovação.

 

Mas eu estava enganado: nosso operário-presidente já deixou para trás o psicopata de bigodinho e hoje só deve estar perdendo para Fidel Castro e para aquele tiranete caricato da Coréia do Norte, cujo nome jamais me interessei em guardar.

 

Mas Lula tem uma vantagem sobre os dois ditadores: aqui as pesquisas refletem verdadeiramente o que o povo pensa, enquanto em Cuba e na Coréia do Norte as pesquisas de opinião lembram o que se dizia dos plebiscitos portugueses durante a ditadura lusitana: SIM, Salazar fica; NÃO, Salazar não sai; brancos e nulos sendo contados a favor do governo.

 

(Quem nunca ouviu falar em Salazar, por favor, pergunte a um parente com mais de 60).

Portanto, a popularidade de Lula ainda tem espaço para crescer, para empregar essa expressão surrada e pedante, mas adorada pelos economistas.

 

E faltam apenas cerca de 16% para que Lula possa, com suas habituais presunção e imodéstia, anunciar ao mundo que obteve a unanimidade dos brasileiros em torno de seu nome, superando até Jesus Cristo ou outras celebridades menores que jamais conseguiram livrar-se de alguma oposição.

Sim, faltam apenas 16% mas eu tenho uma péssima notícia a dar a seu hipertrofiado ego: pode tirar o cavalinho da chuva, companheiro, porque de 99,9999995% você não passa.

 

Como você não é muito chegado em Aritmética, exceto nos cálculos rudimentares dos percentuais sobre os orçamentos dos ministérios que você entrega aos partidos que constituem sua base de sustentação no Congresso, explico melhor: o Brasil tem 200.000.000 de habitantes, um dos quais sou eu. Represento, portanto, 1 em 200.000.000, ou seja, 0,0000005% enquanto os demais brasileiros totalizam os restantes 99,9999995%. Esses, talvez, você possa conquistar, em todo ou em parte. Mas meus humildes 0,0000005% você jamais terá porque não há força neste ou em outros mundos, nem todo o dinheiro com que você tem comprado votos e apoios nos aterros sanitários da política brasileira, não há, repito, força capaz de mudar minha convicção de que você foi o pior dentre todos os presidentes que tive a infelicidade de ver comandando o Brasil em meus 65 anos de vida.

 

E minha convicção fundamenta-se em um fato simples: desde minha adolescência, quando comecei a me dar conta das desgraças brasileiras e a identificar suas causas, convenci-me de que na raiz de tudo está a mentalidade dominante no Brasil, essa mentalidade dos que valorizam a esperteza e o sucesso a qualquer custo; dos que detestam o trabalho e o estudo; dos que buscam o acesso ao patrimônio público para proveito pessoal; dos que almejam os cabides de emprego, as sinecuras e os cargos fantasmas; dos que criam infindáveis dinastias nepotistas nos órgãos públicos; dos que desprezam a justiça desde que a injustiça lhes seja vantajosa; dos que só reclamam dos privilégios por não estar incluídos entre os privilegiados; dos que enriquecem através dos negócios sujos com o Estado; dos que vendem seus votos por uma camiseta, um sanduíche ou, como agora, uma bolsa família; dos que são de tal forma ignorantes e alienados que se deixam iludir pelas prostitutas da política e beijam-lhes as mãos por receber de volta algumas migalhas do muito que lhes vem sendo roubado desde as origens dos tempos; dos que são incapazes de discernir, comover-se e indignar-se diante de infâmias.

 

Antes e depois de mim, muitos outros brasileiros, incomparavelmente melhores e mais lúcidos, chegaram à mesma conclusão e, embora sejamos minoria, sinto-me feliz e honrado por estar ao lado de Rui Barbosa. Já ouviu falar nele?

 

Como você nunca lê, eu quase iria sugerir-lhe que pedisse a algum de seus incontáveis assessores que lhe falasse alguma coisa sobre a Oração aos Moços... Mas, esqueça... Se você souber o que ele, em 1922, disse de políticos como você e dos que fazem parte de sua base de sustentação, terá azia até o final da vida.

 

Pense a maioria o que quiser, diga a maioria o que disser, não mudarei minha convicção de que este País só deixará de ser o que é uma terra onde as riquezas produzidas pelo suor da parte honesta e trabalhadora é saqueada pelos parasitas do Estado e pelos ladrões privados eternamente impunes quando a mentalidade da população e de seus representantes for profundamente mudada.

 

Mudada pela educação, pela perseverança, pela punição aos maus, pela recompensa aos bons, pelo exemplo dos governantes.

 

E você Lula, teve uma oportunidade única de dar início à mudança dessa mentalidade, embalado que estava com uma vitória popular que poderia fazer com que o Congresso se curvasse diante de sua autoridade moral, se você a tivesse.

 

Você teve a oportunidade de tornar-se nossa tão esperada âncora moral, esta sim, nunca antes vista nesse País.

 

Mas não, você preferiu o caminho mais fácil e batido das práticas populistas e coronelistas de sempre, da compra de tudo e de todos.

 

Infelizmente para o Brasil, mas felizmente para os objetivos pessoais seus e de seu grupo, você estava certo: para que se esforçar, escorado apenas em princípios de decência, se muito mais rápido e eficiente é comprar o que for necessário, nessa terra onde quase tudo está à venda?

 

Eu não o considero inteligente, no nobre sentido da palavra, porque uma pessoa verdadeiramente inteligente, depois de chegar aonde você chegou, partindo de onde você partiu, não chafurdaria nesse lamaçal em que você e sua malta alegremente surfam, nem se entregaria a seu permanente êxtase de vaidade e autoidolatria.

 

Mas reconheço em você uma esperteza excepcional: nunca antes nesse País um presidente explorou tão bem, em proveito próprio e de seu bando, as piores qualidades da massa brasileira e de seus representantes.

 

Esse é seu legado maior, e de longa duração: o de haver escancarado a lúgubre realidade de que o Brasil continua o mesmo que Darwin encontrou quando passou por essas plagas em 1832 e anotou em seu diário: Aqui todos são subornáveis.

 

Você destruiu as ilusões de quem achava que havíamos evoluído em nossa mentalidade e matou as esperanças dos que ainda acreditavam poder ver um Brasil decente antes de morrer.

Você não inventou a corrupção brasileira, mas fez dela um maquiavélico instrumento de poder, tornando-a generalizada e fazendo-a permear até os últimos níveis da Administração.

 

O Brasil, sob você, vive um quadro que em medicina se chamaria de septicemia corruptiva.

 

Peça ao Marco Aurélio para lhe explicar o que é isso.

 

Você é o sonho de consumo da banda podre desse País, o exemplo que os funcionários corruptos do Brasil sempre esperaram para poder dar, sem temores, plena vazão a seus instintos.

 

Você faz da mentira e da demagogia seu principal veículo de comunicação com a massa.

 

A propósito, o que é que você sente, todos os dias, ao olhar-se no espelho e lembrar-se do que diz nos palanques?

Você sente orgulho em subestimar a inteligência da maioria e ver que vale a pena?

 

Você mentiu quando disse haver recebido como herança maldita a política econômica de seu antecessor, a mesma política que você manteve integralmente e que fez a economia brasileira prosperar.

 

Você mentiu ao dizer que não sabia do Mensalão.

 

Mentiu quando disse que seu filho enriqueceu através do trabalho.

 

Mentiu sobre os milhões que a Ong 13, de sua filha, recebeu sem prestar contas.

 

Mentiu ao afastar Dirceu, Palocci, Gushiken e outros companheiros pegos em flagrante.

 

Mente quando, para cada platéia, fala coisas diferentes, escolhidas sob medida para agradá-las.

 

Mentiu, mente e mentirá em qualquer situação que lhe convenha.

Por falar em Ongs, você comprou a esquerda festiva, aquela que odeia o trabalho e vive do trabalho de outros, dando-lhe bilhões de reais através de Ongs que nada fazem, a não ser refestelar-se em dinheiro público, viajar, acampar, discursar contra os exploradores do povo e desperdiçar os recursos que tanta falta fazem aos hospitais.

Você não moveu uma palha, em seis anos de presidência, para modificar as leis odiosas que protegem criminosos de todos os tipos neste País sedento de Justiça e encharcado pelas lágrimas dos familiares de tantas vítimas.

 

Jamais sua base no Congresso preocupou-se em fechar ao menos as mais gritantes brechas legais pelas quais os criminosos endinheirados conseguem sempre permanecer impunes, rindo-se de todos nós.

 

Ao contrário, o Supremo, onde você tem grande influência, por haver indicado um bom número de Ministros, acaba de julgar que mesmo os condenados em segunda instância podem permanecer em liberdade, até que todas as apelações, recursos e embargos sejam julgados, o que, no Brasil, leva décadas.

 

Isso significa, em poucas palavras, que os criminosos com dinheiro suficiente para pagar os famosos e caros criminalistas brasileiros podem dormir sossegados, porque jamais irão para a cadeia.

 

Estivesse o Supremo julgando algo que interessasse a seu grupo ou a suas inclinações ideológicas, certamente você teria se empenhado de corpo e alma.

 

Aliás, Lula, você nunca teve ideais, apenas ambições..

 

Você jamais foi inspirado por qualquer anseio de Justiça.

 

Todas as suas ações, ao longo da vida, foram motivadas por rancores, invejas, sede pessoal de poder e irrefreável necessidade de ser adorado e ter seu ego adulado.

 

Seu desprezo por aquilo que as pessoas honradas consideram Justiça manifesta-se o tempo todo: quando você celeremente despachou para Cuba alguns pobres desertores que aqui buscavam a liberdade; quando você deu asilo a assassinos terroristas da esquerda radical; quando você se aliou à escória do Congresso, aquela mesma contra quem você vociferava no passado; quando concedeu aumentos nababescos a categorias de funcionários públicos já regiamente pagos, às custas dos impostos arrancados do couro de quem trabalha arduamente e ganha pouco; quando você aumentou abusivamente as despesas de custeio, sabendo que pouquíssimo da arrecadação sobraria para os investimentos de que tanto carece a população; quando você despreza o mérito e privilegia o compadrio e o populismo; e vai por aí.... Justiça, ora a Justiça, é o que você pensa...

 

Você tem dividido a nação, jogando regiões contra regiões, classes contra classes e raças contra raças, para tirar proveito das desavenças que fomenta.

 

Aliás, se você estivesse realmente interessado, como deveria, em dar aos pobres, negros e outros excluídos as mesmas oportunidades que têm os filhos dos ricos, teria se empenhado a fundo na melhoria da saúde e do ensino públicos.

 

Mas você, no íntimo, despreza o ensino, a educação e a cultura, porque conseguiu tudo o que queria, mesmo sendo inculto e vulgar. Além disso, melhorar a educação toma um tempo enorme e dá muito trabalho, não é mesmo?

 

E se há coisa que você e o Partido dos Trabalhadores definitivamente detestam é o trabalho: então, muito mais fácil é o atalho das cotas, mesmo que elas criem hostilidades entres as cores, que seus critérios sejam burlados o tempo todo e que filhos de negros milionários possam valer-se delas.

A Imprensa faz-lhe pouca oposição porque você a calou, manipulando as verbas publicitárias, pressionando-a economicamente e perseguindo jornalistas.

 

O que houve entre o BNDES e as redes de televisão?

 

O que você mandou fazer a Arnaldo Jabor, a Boris Casoy, a Salete Lemos?

 

Essa técnica de comprar ou perseguir é muito eficaz.

 

Pablo Escobar usou-a com muito sucesso na Colômbia, quando dava a seus eventuais opositores as opções: O plata, o plomo. Peça ao Marco Aurélio para traduzir. Ele fala bem o Espanhol.

 

Você pode desdenhar tudo aquilo que aqui foi dito, como desdenha a todos que não o bajulem.

Afinal, se você não é o maior estadista do planeta, se seu governo não é maravilhoso, como explicar tamanha popularidade?

 

É fácil: políticos, sindicatos, imprensa, ONGs, movimentos sociais, funcionários públicos, miseráveis, você comprou com dinheiro, bolsas, cotas, cargos e medidas demagógicas.

 

Muita gente que trabalha, mas desconhece o que se passa nas entranhas de seu governo, satisfez-se com o pouco mais de dinheiro que passou a ganhar, em conseqüência do modesto crescimento econômico que foi plantado anteriormente, mas que caiu em seu colo.

  

Tudo, então, pode se resumir ao dinheiro e grande parte da população parece estar disposta a ignorar os princípios da honradez e da honestidade e a relevar as mentiras, a corrupção, os desperdícios, os abusos e as injustiças que marcam seu governo em troca do prato de lentilhas da melhoria econômica.

É esse, em síntese, o triste retrato do Brasil de hoje. E, como se diz na França, l´argent n´est tout que dans les siècles où les hommes ne sont rien.

  

Você não entendeu, não é mesmo? Então pergunte a Marta. Ela adora Paris e há um bom tempo o estamos sustentando, seu gigolô franco-argentino!

 

Gilberto Geraldo Garbi

 

 

Nossa resposta ao amigo Vial a respeito da carta acima:

 

Meu caro Vial,
Eu li o artigo até o final e gostaria que o amigo fizesse o mesmo...por favor!!!

 

    O fato deste rapaz ter sido um dos melhores alunos de matemática da ITA, não lhe credencia a ser "Mister know it all". Ele é apenas mais um "Doutor" (preconceituoso), que não aceita um nordestino pobre, com pouca escolaridade, ex-torneiro mecânico a ocupar a Presidência da República e fazer tanto sucesso. Claro, ele é parte dos 15% da eleite que é contra o governo Lula. São 28.500.000 contra e 161.500.000 que apoiam este governo...Esse rapaz deve ter um salário muito alto e deixar para o fisco 27,5% deste salário deve magoa-lo muito mesmo!!! Se for empresário deve estar prevendo dificuldades para sonegar...ou por quê será que ele que é tão familiarizado com a matemática não consegue enxergar os números, as estatísticas que dão tanta popularidade a este governo. Dentro ou fora do país o Lula é uma unanimidade. 

        Vamos fazer uma exegese do artigo da carta de Gilberto Geraldo Garbi para Lula. Vamos selecionar excertos do texto do autor (em itálico e aspas) e as partes sem itálico e sem aspas são a minha análise sobre o que ele escreveu.

“Gilberto Geraldo Garbi foi um dos alunos classificados a seu tempo como UM DOS MELHORES ALUNOS DE MATEMÁTICA que já haviam adentrado o ITA, entre outras honrarias que recebeu daquela instituição. Depois de graduado, desenvolveu carreira na TELEPAR, onde chegou a Diretor Técnico e Diretor Presidente, sendo depois Presidente da TELEBRAS”.

Minha intenção é mostrar as falácias contidas no artigo, que são muitas.

O chamamento para o texto já começa tentando impor um argumento de autoridade, ou seja, ao referir-se ao autor como UM DOS MELHORES ALUNOS DE MATEMÁTICA, oriundo do ITA, que sabemos ser uma instituição de ensino de primeira qualidade, fala de honrarias que ele recebeu e de cargos de relevância que ocupou. Tudo isso querendo demonstrar que não é “qualquer um” que está falando. Contudo, com todo esse impressionante currículo, a “autoridade” do autor é totalmente inválida. Pode ser que ele possua competência nas áreas de matemática e engenharia, mas isso de forma alguma o qualifica como autoridade para discorrer sobre os acertos e erros do presidente da república. Não estamos falando de um cientista político, de um sociólogo ou de um filósofo, que são especialistas na área e o que daria mais peso ao argumento de autoridade, trata-se de um engenheiro descontente com os rumos da nação e com o chefe do executivo federal que faz juízos de valor sobre a atuação de Lula e não uma análise de fatos.

“Lembro-me de que quando Lula chegou aos 70% achei que ele jamais bateria Hitler, a quem, em seu auge, a cultíssima Alemanha chegara a conceder 82% de aprovação.

Mas eu estava enganado: nosso operário-presidente já deixou para trás o psicopata de bigodinho e hoje só deve estar perdendo para Fidel Castro e para aquele tiranete caricato da Coréia do Norte, cujo nome jamais me interessei em guardar. Mas Lula tem uma vantagem sobre os dois ditadores: aqui as pesquisas refletem verdadeiramente o que o povo pensa, enquanto em Cuba e na Coeria(sic) do Norte as pesquisas de opinião lembram o que se dizia dos plebiscitos portugueses durante a ditadura lusitana: SIM, Salazar fica; NÃO, Salazar não sai; brancos e nulos sendo contados a favor do governo...(Quem nunca ouviu falar em Salazar, por favor, pergunte a um parente com mais de 60)”.

Neste segundo excerto o autor faz analogia velada com quatro notórios ditadores. Hitler que chega a ser um sinônimo do mal, o barbudo comunista Fidel Castro e o “tiranete” da Coreia do Norte, Kim Jong-il, (tive o trabalho de pesquisar) e o ditador português Salazar, não tenho mais de 60, mas sei que Antonio de Oliveira Salazar foi quem comandou Portugal de 1933 a 1968, seguido por Marcello Caetano que estendeu a política Salazarista até 1974. O autor tenta relacionar a popularidade dos ditadores à de Lula deixando que o leitor faça a inferência de uma “ditadura Lulista”. Outra inferência que o autor insere em seu texto é a comparação com a “cultíssima Alemanha” numa clara alusão à falta de cultura do povo brasileiro. Por pior que seja o governo Lula, não é nada razoável compará-lo aos governos citados.

“Portanto, a popularidade de Lula ainda "tem espaço" para crescer, para empregar essa expressão surrada e pedante, mas adorada pelos economistas. E faltam apenas cerca de 16% para que Lula possa, com suas habituais presunção e imodéstia, anunciar ao mundo que obteve a unanimidade dos brasileiros em torno de seu nome, superando até Jesus Cristo ou outras celebridades menores que jamais conseguiram livrar-se de alguma oposição”...

O autor refere-se à presunção e imodéstia, mas logo no excerto acima zombou daqueles que desconhecem quem foi Salazar, faz uma comparação oportunista com Jesus Cristo e quer nos fazer crer que Lula não possui oposição; em tempo, a oposição é até bastante expressiva, contudo não tem competência para desbancar o “operário-presidente”.

“Como você não é muito chegado em Aritmética, exceto nos cálculos rudimentares dos percentuais sobre os orçamentos dos ministérios que você entrega aos partidos que constituem sua base de sustentação no Congresso, explico melhor: o Brasil tem 200.000.000 de habitantes, um dos quais sou eu. Represento, portanto, 1 em 200.000.000, ou seja, 0,0000005% enquanto os demais brasileiros totalizam os restantes 99,9999995%. Esses, talvez, você possa conquistar, em todo ou em parte. Mas meus humildes 0,0000005% você jamais terá porque não há força neste ou em outros mundos, nem todo o dinheiro com que você tem comprado votos e apoios nos aterros sanitários da política brasileira, não há, repito, força capaz de mudar minha convicção de que você foi o pior dentre todos os presidentes que tive a infelicidade de ver comandando o Brasil em meus 65 anos de vida”.

Agora o autor apela para a calúnia, que na sua acepção jurídica é crime previsto no Código Penal:

Calúnia

Art. 138 - Caluniar alguém, imputando-lhe falsamente fato definido como crime:

Pena - detenção, de seis meses a dois anos, e multa.

Pergunta: O autor tem como provar que o presidente comprou votos? Comprar votos não é prática criminosa? Vejo aqui claramente um crime de calúnia.

“E minha convicção fundamenta-se em um fato simples: desde minha adolescência, quando comecei a me dar conta das desgraças brasileiras e a identificar suas causas, convenci-me de que na raiz de tudo está a mentalidade dominante no Brasil, essa mentalidade dos que valorizam a esperteza e o sucesso a qualquer custo; dos que detestam o trabalho e o estudo; dos que buscam o acesso ao patrimônio público para proveito pessoal; dos que almejam os cabides de emprego, as sinecuras e os cargos fantasmas; dos que criam infindáveis dinastias nepotistas nos órgãos públicos; dos que desprezam a justiça desde que a injustiça lhes seja vantajosa; dos que só reclamam dos privilégios por não estar incluídos entre os privilegiados; dos que enriquecem através dos negócios sujos com o Estado; dos que vendem seus votos por uma camiseta, um sanduíche ou, como agora, uma bolsa família; dos que são de tal forma ignorantes e alienados que se deixam iludir pelas prostitutas da política e beijam-lhes as mãos por receber de volta algumas migalhas do muito que lhes vem sendo roubado desde as origens dos tempos; dos que são incapazes de discernir, comover-se e indignar-se diante de infâmias”.

Nesta parte, concordo com quase tudo o que autor escreveu; todavia discordo dele quando refere-se ao Bolsa Família. É claro que um engenheiro formado pelo ITA irá desdenhar da migalha que o governo dá aos descamisados. Certamente nunca faltou o que comer na mesa do doutor, e este provavelmente nunca passou por nenhum tipo de privação. Contudo, entendo o seu drama. É que a banda privilegiada deste país não consegue conceber que estão pagando impostos para que a política de distribuição de renda seja efetivada. Ninguém quer dar o seu quinhão assim de maneira fácil.

“Antes e depois de mim, muitos outros brasileiros, incomparavelmente melhores e mais lúcidos, chegaram à mesma conclusão e, embora sejamos minoria, sinto-me feliz e honrado por estar ao lado de Rui Barbosa. Já ouviu falar nele? Como você nunca lê, eu quase iria sugerir-lhe que pedisse a algum de seus incontáveis assessores que lhe falasse alguma coisa sobre a Oração aos Moços... Mas, esqueça... Se você souber o que ele, em 1922, disse de políticos como você e dos que fazem parte de sua base de sustentação, terá azia até o final da vida”.

O autor faz referência à ignorância do presidente em mais um juízo de valor. Duvido que Lula não saiba quem foi Rui Barbosa.

“Pense a maioria o que quiser, diga a maioria o que disser, não mudarei minha convicção de que este País só deixará de ser o que é - uma terra onde as riquezas produzidas pelo suor da parte honesta e trabalhadora é saqueada pelos parasitas do Estado e pelos ladrões privados eternamente impunes - quando a mentalidade da população e de seus representantes for profundamente mudada. Mudada pela educação, pela perseverança, pela punição aos maus, pela recompensa aos bons,pelo exemplo dos governantes. E você Lula, teve uma oportunidade única de dar início à mudança dessa mentalidade, embalado que estava com uma vitória popular que poderia fazer com que o Congresso se curvasse diante de sua autoridade moral, se você a tivesse.

 

Você teve a oportunidade de tornar-se nossa tão esperada âncora moral, esta sim, nunca antes vista nesse País.

Mas não, você preferiu o caminho mais fácil e batido das práticas populistas e coronelistas de sempre, da compra de tudo e de todos.

Infelizmente para o Brasil, mas felizmente para os objetivos pessoais seus e de seu grupo, você estava certo: para que se esforçar, escorado apenas em princípios de decência, se muito mais rápido e eficiente é comprar o que for necessário, nessa terra onde quase tudo está à venda?”

Mais uma vez o autor, sem provas, calunia o presidente. Contraria assim sua nobre pretensão de falsa moral que quer passar com seu tedencioso artigo. Eu pergunto ao autor o que é moral? O que é decência?

“Eu não o considero inteligente, no nobre sentido da palavra, porque uma pessoa verdadeiramente inteligente, depois de chegar aonde você chegou, partindo de onde você partiu, não chafurdaria nesse lamaçal em que você e sua malta alegremente surfam, nem se entregaria a seu permanente êxtase de vaidade e autoidolatria. Mas reconheço em você uma esperteza excepcional: nunca antes nesse País um presidente explorou tão bem, em proveito próprio e de seu bando, as piores qualidades da massa brasileira e de seus representantes. Esse é seu legado maior, e de longa duração: o de haver escancarado a lúgubre realidade de que o Brasil continua o mesmo que Darwin encontrou quando passou por essas plagas em 1832 e anotou em seu diário:"Aqui todos são subornáveis". Você destruiu as ilusões de quem achava que havíamos evoluído em nossa mentalidade e matou as esperanças dos que ainda acreditavam poder ver um Brasil decente antes de morrer”.

“Piores qualidades da massa brasileira”, “Aqui todos são subornáveis”. Será que o autor também se inclui no rol dos subornáveis? Ele não é brasileiro? O que o faz pensar que está fora da massa? E tem coragem de chamar Lula de vaidoso, que este idolatra a si mesmo? Quem está zombando dos brasileiros é o autor, pois exclui a si da “massa” e dos “subornáveis” e inclui todos os brasileiros.

“Você não inventou a corrupção brasileira, mas fez dela um maquiavélico instrumento de poder, tornando-a generalizada e fazendo-a permear até os últimos níveis da Administração. O Brasil, sob você, vive um quadro que em medicina se chamaria de septicemia corruptiva.

Peça ao Marco Aurélio para lhe explicar o que é isso. Você é o sonho de consumo da banda podre desse País, o exemplo que os funcionários corruptos do Brasil sempre esperaram para poder dar, sem temores, plena vazão a seus instintos”.

Agora o presidente é culpado por toda a corrupção no Brasil! Que apelação ridícula!

“Você faz da mentira e da demagogia seu principal veículo de comunicação com a massa.

A propósito, o que é que você sente, todos os dias, ao olhar-se no espelho e lembrar-se do que diz nos palanques? Você sente orgulho em subestimar a inteligência da maioria e ver que vale a pena?”

 

Quem quer subestimar a inteligência da maioria com esse artigo tosco é o autor. Ele deve pensar que é o dono da verdade.

“Você mentiu quando disse haver recebido como herança maldita a política econômica de seu antecessor, a mesma política que você manteve integralmente e que fez a economia brasileira prosperar. Você mentiu ao dizer que não sabia do Mensalão

 

Mentiu quando disse que seu filho enriqueceu através do trabalho

Mentiu sobre os milhões que a Ong 13, de sua filha, recebeu sem prestar contas

 

Mentiu ao afastar Dirceu, Palocci, Gushiken e outros cumpanheros pegos em flagrante

 

Mente quando, para cada platéia, fala coisas diferentes, escolhidas sob medida para agradá-las

 

Mentiu, mente e mentirá em qualquer situação que lhe convenha”.

 

Falar que alguém mentiu é muito fácil. É só conseguir algum meio de comunicação que se oponha a esse alguém e começar a metralhar: mentiu, mentiu, mentiu... Uma pequena pergunta ao autor do texto: Você têm provas de todas essas afirmações que faz?

“Por falar em Ongs, você comprou a esquerda festiva, aquela que odeia o trabalho e vive do trabalho de outros, dando-lhe bilhões de reais através de Ongs que nada fazem, a não ser refestelar-se em dinheiro público, viajar, acampar, discursar contra os exploradores do povo e desperdiçar os recursos que tanta falta fazem aos hospitais”.

Idem parágrafo anterior.

“Você não moveu uma palha, em seis anos de presidência, para modificar as leis odiosas que protegem criminosos de todos os tipos neste País sedento de Justiça e encharcado pelas lágrimas dos familiares de tantas vítimas. Jamais sua base no Congresso preocupou-se em fechar ao menos as mais gritantes brechas legais pelas quais os criminosos endinheirados conseguem sempre permanecer impunes, rindo-se de todos nós. Ao contrário, o Supremo, onde você tem grande influência, por haver indicado um bom número de Ministros, acaba de julgar que mesmo os condenados em segunda instância podem permanecer em liberdade, até que todas as apelações, recursos e embargos sejam julgados, o que, no Brasil, leva décadas”.

Leis odiosas? Que leis odiosas são estas? Bem disse no começo que a autoridade do autor é questionável. Para informação do autor, que se acha muito inteligente, a competência para legislar sobre direito penal é privativa do Congresso Nacional, ou seja, do Legislativo federal. Não há possibilidade do chefe do executivo criar, modificar ou revogar leis na seara criminal. Conforme Art. 22, I da Constituição Federal de 05 de outubro de 1988. Talvez fosse interessante ler a Carta Magna antes de sair falando tolices.

“Isso significa, em poucas palavras, que os criminosos com dinheiro suficiente para pagar os famosos e caros criminalistas brasileiros podem dormir sossegados, porque jamais irão para a cadeia.

Estivesse o Supremo julgando algo que interessasse a seu grupo ou a suas inclinações ideológicas, certamente você teria se empenhado de corpo e alma”.

Chuva de achismos!

“Aliás, Lula, você nunca teve ideais, apenas ambições. Você jamais foi inspirado por qualquer anseio de Justiça. Todas as suas ações, ao longo da vida, foram motivadas por rancores, invejas, sede pessoal de poder e irrefreável necessidade de ser adorado e ter seu ego adulado”.

Somente alguém com muita raiva ou inveja faria tantos ataques pessoais sem provas; veja o leitor; o que está sendo questionado pelo autor é a pessoa e não o cargo que ela ocupa. No mínimo é uma covardia.

“Seu desprezo por aquilo que as pessoas honradas consideram Justiça manifesta-se o tempo todo: quando você celeremente despachou para Cuba alguns pobres desertores que aqui buscavam a liberdade; quando você deu asilo a assassinos terroristas da esquerda radical; quando você se aliou à escória do Congresso, aquela mesma contra quem você vociferava no passado; quando concedeu aumentos nababescos a categorias de funcionários públicos já regiamente pagos, às custas (sic) dos impostos arrancados do couro de quem trabalha arduamente e ganha pouco; quando você aumentou abusivamente as despesas de custeio, sabendo que pouquíssimo da arrecadação sobraria para os investimentos de que tanto carece a população; quando você despreza o mérito e privilegia o compadrio e o populismo; e vai por aí... Justiça, ora a Justiça ,é o que você pensa...”

Gostaria, sinceramente, de saber o que as pessoas honradas consideram Justiça. Também ficaria feliz se conhecesse quem são essas pessoas honradas, já que em parágrafos anteriores o autor chamou os brasileiros de “todos subornáveis”. Também seria oportuno que o autor explicasse o que vem a ser justiça já que até hoje, que eu saiba, ninguém conseguiu definir de forma satisfatória o que vem a ser justiça.

“Você tem dividido a nação, jogando regiões contra regiões, classes contra classes e raças contra raças, para tirar proveito das desavenças que fomenta.

 

Aliás, se você estivesse realmente interessado, como deveria, em dar aos pobres, negros e outros excluídos as mesmas oportunidades que têm os filhos dos ricos, teria se empenhado a fundo na melhoria da saúde e do ensino públicos.

Mas você, no íntimo, despreza o ensino, a educação e a cultura, porque conseguiu tudo o que queria, mesmo sendo inculto e vulgar. Além disso, melhorar a educação toma um tempo enorme e dá muito trabalho, não é mesmo?

 

E se há coisa que você e o Partido dos Trabalhadores definitivamente detestam é o trabalho: então, muito mais fácil é o atalho das cotas, mesmo que elas criem hostilidades entres as cores, que seus critérios sejam burlados o tempo todo e que filhos de negros milionários possam valer-se delas”.

 

Mais crime. “inculto e vulgar” para mim é crime contra honra. No caso, como o ataque é à pessoa do presidente e não ao cargo que ele ocupa, o crime é de injúria.

Toda pessoa de classe média e alta é contra a implementação de políticas públicas de compensação (cotas). Em tempo, o DEM (Democratas) antigo PFL e ARENA, partido que era favorável ao regime militar, ajuizou Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental no STF pleiteando que os alunos beneficiados por cotas não fossem matriculados na UNB. (Universidade de Brasília). No entanto, o Procurador Geral da República já emitiu parecer desconsiderando o pedido do DEM e com parecer favorável às cotas. Os interesses dos pretensos “Democratas” não são os da maioria, mas de não repartir as vagas que os filhos dos ricos sempre ocuparam nas melhores universidades.

“A Imprensa faz-lhe pouca oposição porque você a calou, manipulando as verbas publicitárias, pressionando-a economicamente e perseguindo jornalistas. O que houve entre o BNDES e as redes de televisão? O que você mandou fazer a Arnaldo Jabor, a Boris Casoy, a Salete Lemos?

Essa técnica de comprar ou perseguir é muito eficaz. Pablo Escobar usou-a com muito sucesso na Colômbia, quando dava a seus eventuais opositores as opções: "O plata, o plomo". Peça ao Marco Aurélio para traduzir. Ele fala bem o Espanhol”.

Em que mundo o autor está? A imprensa faz pouca oposição a Lula? Já vi a revista Veja publicar até foto do Lula com marca de solado de sapato no traseiro! E em 2005 quando estourou o escândalo do mensalão? Não fosse a alta popularidade do presidente certamente seria o segundo chefe de executivo a ser deposto depois de Collor. Até a esquerda faz oposição a Lula, houve rachas no PT, criação de novos partidos, como o PSOL, a mídia não parou de atacá-lo desde 2003 e o autor fala de pouca oposição? O autor deve estar lendo apenas os quadrinhos da Turma da Mônica.

“Você pode desdenhar tudo aquilo que aqui foi dito, como desdenha a todos que não o bajulem.

Afinal, se você não é o maior estadista do planeta, se seu governo não é maravilhoso, como explicar tamanha popularidade? É fácil: políticos, sindicatos, imprensa, ONGs, movimentos sociais, funcionários públicos, miseráveis, você comprou com dinheiro, bolsas, cotas, cargos e medidas demagógicas. Muita gente que trabalha, mas desconhece o que se passa nas entranhas de seu governo, satisfez-se com o pouco mais de dinheiro que passou a ganhar, em consequência do modesto crescimento econômico que foi plantado anteriormente, mas que caiu em seu colo”.

O autor certamente se lamenta por ter que pagar impostos, por ver que já não é mais tão rico com sempre foi e que uma massa amorfa de descamisados estão entrando no mundo do consumo. Essa gente pobre se satisfaz com pouco mesmo, suas pretensões são singelas, ao contrário das do autor que parece ter perdido milhões, tamanha é o rancor que guarda em seu coração. O autor desdenha que milhares saíram da miséria nesse governo. Mas isso não é algo importante, pelo menos para ele que deve ter sempre tido tudo na vida. Não é qualquer um que entra no ITA e tem uma carreira recheada de méritos como tem o sr Geraldo Garbi.

“Tudo, então, pode se resumir ao dinheiro e grande parte da população parece estar disposta a ignorar os princípios da honradez e da honestidade e a relevar as mentiras, a corrupção, os desperdícios, os abusos e as injustiças que marcam seu governo em troca do prato de lentilhas da melhoria econômica. É esse, em síntese, o triste retrato do Brasil de hoje... E, como se diz na França, l´argent n´est tout que dans les siècles où les hommes ne sont rien”.

“Você não entendeu, não é mesmo? Então pergunte à Marta. Ela adora Paris e há um bom tempo estamos sustentando seu gigolô franco-argentino...”

 

O autor termina o texto no melhor da arrogância burguesa, citando uma frase em francês e fofocando sobre a vida alheia. Não poderia ter baixado o nível de forma mais decadente.

Por fim, não sou petista, sou brasileiro e torço pelo Brasil, gosto da maneira como o presidente Lula comanda nossa nação, todavia não vou bater palmas para qualquer um que saiba ofender outrem sem reais fundamentos. Não sou defensor do governo e nem quero ser, apenas gosto de apontar as incongruências e contradições dos pretensos formadores de opinião.

Eu quando quero um conselho, uma opinião, procuro nos clássicos, naqueles que fazem considerações atemporais sobre a vida, a política, a filosofia, a religião etc. Não dou ouvido a qualquer tentativa de impacto divulgada à exaustão pela Internet, principalmente de alguém que tem em seu repertório mais ofensas pessoais e juízos de valor do que argumentos bem fundamentados e baseados em fatos.

Em suma, uma carta tosca, de mal gosto, altamente tendenciosa e vulgarmente escrita. Empolga somente a decadente classe média que sempre foi pobre de espírito e que hoje também está ficando cada dia menos abastada.

    Pois é amigo, é aquilo que sempre disse: puro terrorismo psicológico, vontade de aparecer, sair do ostracismo... mas afinal, vivemos em um estado democrático de direito, mas mesmo assim, isto não nos dá o direito de ferir a dignidade dos outros, de perturbar a ordem pública, de tentar confundir as pessoas que acreditam e depositam tanta esperança e torcem por um país melhor, onde não existam tantas desigualdades sociais, onde as oportunidades sejas para todos e todos tenham a direito a uma vida digna e a cidadania plena.

Um forte e sincero abraço,

Sds

        Leonardo Torres


Caro Altevir,
 
Acho muito interessante essas colocações e vinculações. Mas quero deixar algumas colocações para enriquecer o debate, esse sim, deve prevalecer sempre.
 
1) Uma correção. O PT não inventou o mensalão, pois foi exatamente o senador Eduardo Azeredo (PSDB) quem o inventou lá nas Minas Gerais em 1998 (e que responde como réu por isso no STF atualmente). Na verdade os idealizadores, pelo menos é o que foi divulgado, são os senhores Clésio Andrade e companhia e o primeiro político a acolher a idéia foi justamente o (ex-governador Eduardo Azeredo).
2) Nunca um governo e um presidente da república foi tão criticado, sistematicamente, diuturnamente. sordidamente, quanto o Lula.
3) Há especialistas de comunicação que afirmam (e tentam provar) que setores econômicos poderosos não se conformaram com a chegada de Lula à presidência (por puro pré-conceito) e que montaram juntamente com a imprensa uma mídia golpista (o famoso PIG), escalando pessoas de pensamento de extrema direita (Reinaldo Azevedo-Veja, Diogo Mainardi - Veja, Ali-Camel - Rede Globo, Joelmir Beting-Band, e vários outros espalhados em diversos órgãos. Esses elementos têm a função de produzir factóides negativos sobre o Lula e seu governo, diariamente, reverberá-los de forma mentirosa e maldosa para tentar "formar uma opinião" negativa sobre o Lula e seu governo (a forma de dar as notícias é teatral, as coisas boas do governo são ditas friamente, e as que eles acham que são ruins são enfatizadas).
4) Chegaram ao desrespeito, ao Lula , ao Brasil e a todos os brasileiros, independentemente de opinião política de cada um, de editar uma capa da revista Veja, dando um pé-na-bunda do presidente Lula com uma bota suja de petróleo, durante os episódios de nacionalização na Bolívia.
5) É escrachada a posição pré-conceituosa da imprensa em relação a Lula (e por tabela a todos os brasileiros, que não são diferentes de Lula).
6) É escancarada a opção política manifesta dessa mesma mídia (e de seus expoentes, inclusive de vários que foram citados em seu texto, pelo PSDB, FHC, SERRA, DEM, PPS, etc. O tratamento das notícias com mesmas causas e efeitos, quando ocorrem em ninho tucano, são diferentes de quando ocorrem no PT ou nos partidos da base aliada de Lula. (Você consegue imaginar como seria o tratamento jornalístico da TV Globo ao episódio da enchente de esgoto na cidade de São Paulo, se o governo fosse do PT (Marta, por exemplo?)). Então concluo: a) Borys Casoy faz um jornalismo que não agrada, pois ele faz um jornalismo opinativo, somente ele, quem tem a mesma opinião dele, ou quem não tem opinião nenhuma gosta de seu telejornal. Vem perdendo audiência a cada dia e por isso perdeu valor de "passe" e pula de emissora em emissora; b) O Programa do Jô tem a mesma fórmula (importada dos Estados Unidos) da década de 70-80. Não renovou. Ficou chato, ninguém mais perde tempo com ele. (E olha, que na década de 80 ele chegou a ser uma espécie de unanimidade nacional), hoje ninguém tem mais coragem de referenciá-lo; c) As meninas do Jô foram escaladas para colar em Lula a culpa do acidente do avião da TAM. Durante a efervescência pós acidente, parece que deu ibope naquele momento, depois caiu no esquecimento, pois a população não é boba e entendeu direitinho o que havia acontecido. Essas mesmas meninas já fazem parte dos agentes do PIG, são constantemente apontadas por isso. Fazem um jornalismo de uma tecla só, em cima de factóides moralescos. Perderam audiência e devem estar perdendo seus contratos, pois TV é avaliada por segundos de audiência, todos nós sabemos; d) Diogo Mainard perdeu sua credibilidade, pois pregou o apocalípse do governo Lula desde primeiro de janeiro de 2003, à base de muito pré-conceito e mentiras. Tem um estilo literário sofrível. Ninguém (mais inteligente um pouco) consegue mais passar de sua primeira frase. Juntamente com ele a própria revista Veja vem sucumbindo, não porque existe um governo Lula que os desmentem o tempo todo (pelos próprios resultados apresentados pelo Brasil) é porque são ruins mesmo, de péssima qualidade. Olha, em ambientes mais lúcidos ninguém tem coragem de pronunciar o nome de Veja, Folha de São Paulo, Estadão, Estado de Minas, O Tempo, TV Globo, etc. e) É balela dizer que o Estadão está em forte censura. Ele perdeu uma ação na justiça e não nos cabe analisar o mérito. Recorreu ao STF, que, mesmo tendo o Sr. Gimar Dantas como presidente, não acatou os recursos do Estadão. Pode ter havido incompetência jurídica deles. Mas o fato jurídico que prevalesce é que o STF, semana passada deu perda de causa ao Estadão; f) Deixei por último o Arnaldo Jabor. Tenha paciência. Ele é ruim demais. Aquele tipo de comentário ácido, não agrada mais ninguém. Porque de tão contraditório o expõe à contradição em menos de uma semana. Nem pra rir dá mais, com o Jabor. É uma fórmula também da década de 70. Mas o grande destaque de Jabor é sua eterna frustração de ter pretendido ser melhor cineasta que o Gláuber Rocha e não ter conseguido. Portanto, essa turma de aluguel não pode reclamar de entrar pro ostracismo. Eles não mereciam nem ter chegado lá para torrar nossa paciência. Chegaram para fazer papel de laranja (mesmo que tenham alguma convicção) e a direita é assim mesmo, chupa a laranja e depois joga o bagaço fora. E deixo a pergunta, como o governo Lula faria censura se ao contrário, ao ser tão atacado ele reduziu as verbas de publicidade (ou teria sido o contrário?). Mas seria bom, você fazer a mesma análise aí no Pará, com os opositores do governo Lula e outros amigos, Minas. Óh Minas Gerais...eu já tenho minha opinião formado quanto os Zé Agripinos da vida aqui no RN.
 
Um forte abraço,
 
Sds
        Leonardo Torres


FHC: desesperado e deselegante

Esta dando que falar o artigo escrito pelo ex-presidente Fernando Henrique Cardoso há algumas semanas atrás para o O Estado de S. Paulo e O Globo. FHC destila ódio e inveja ao seu sucessor, Luiz Inácio Lula da Silva, mostrando como um ex-presidente não deve se comportar. Ao ler a opinião do ex-presidente, chego a uma conclusão: Lula está certo. O tucano fracassou.

FHC fracassou porque não conseguiu fazer um grande governo e está esquecido, encostado. Poucos se lembrarão dele daqui há 30, 50 anos, ao contrário de Lula, que está na história como um dos maiores presidentes da história do Brasil. FHC foi deselegante ao escrever um artigo tão rancoroso. Não condiz com a posição de um ex-presidente.

Acredito que FHC está desesperado porque está ficando sem espaço na mídia. Ele não conseguiu atingir a popularidade que Lula atingiu e vê seu partido rumando para outro fracasso eleitoral. Enquanto o PT e seus aliados já trabalham com Dilma, o PSDB e o DEM aguardam a definição do governador paulista José Serra, que ainda está em cima do muro.

No artigo o tucano acusa Lula de ser populista e de autoritário, mas e se fosse o contrário? Sem dúvida, FHC faria a mesma coisa que Lula. Não sou ingênuo de crer que o governo lulista é 100% honesto e um mar de rosas. Em todos os governos há corrupção e trapaça. Mas não podemos ser hipócritas. O governo Lula foi melhor que o FHC. Isso é fato.

Sugiro que FHC continue recluso, sem ficar dando opinião na mídia. É o melhor que ele tem a fazer. Se continuar falando e escrevendo bobagem vai acabar destruindo a pouca aprovação e moral que tem. Se ele se acha tão inteligente e superior quanto Lula, deveria saber que a maré está para o atual presidente e não para ele.

Sds

        Leonardo Torres


DEMOCRACIA E ÉTICA NO BRASIL

A democracia é definitivamente a melhor forma com que a sociedade pode conviver harmonicamente, sem que as benesses sejam direcionadas totalmente para os mais fortes. Nos outros regimes alternativos à democracia, somente quem é mais forte tem a possibilidade de almejar os ganhos na própria vida e em qualquer disputa. Somente por meio da política é que se pode realizar a democracia. A política é o veículo que transporta e viabiliza todos os processos que dão sustentáculo ao regime democrático. Por que, mesmo com toda essa importância a política é contestada por boa parte da sociedade? O que torna pessoas que são aparentemente honestas em políticos corruptos? O que fazer para melhorar a percepção da política como uma atividade ética?

É bastante recorrente notícias na mídia referentes a escândalos, falcatruas e corrupção no meio político em nosso país, que deixam as pessoas acostumadas com tantas baixarias e falta de respeito com a coisa pública. É com tristeza que a sociedade brasileira assiste à desmoralização de pessoas em quem foram depositadas esperanças e confianças na condução de órgãos públicos relevantes. No passado recente tivemos um caso, dentre muitos outros de menor monta, o chamado caso de mensalão no qual políticos de diversos partidos recebiam dinheiro para votar conforme os interesses do governo. Apesar da grande repercussão, o grau de punição até o momento está muito abaixo do que se espera para casos dessa magnitude. A grande maioria dos processos vem se arrastando nos tribunais, com protelações e todos os tipos de artifícios das defesas em favor dos réus.

Outro caso mais recente é o descoberto recentemente envolvendo políticos do primeiro escalão do governo do Distrito Federal, onde o governador é um dos principais envolvidos. O nível de detalhes é muito grande, ficando muito difícil da contestação por parte dos envolvidos. Onde as pessoas que escolheram esses políticos erraram? O grau de preocupação dos eleitores com o destino dos entes da federação não é suficiente para levá-los a realizar uma pesquisa criteriosa dos políticos que irão votar? A verdade é que sempre existe a possibilidade dos eleitores não se preocuparem muito em quem irão votar, se importando mais com os discursos, enfeites e outros adereços do candidato do que propriamente com o provável comportamento dele no governo. Ao mesmo tempo, existe a possibilidade de pessoas que se dizem certinhas, que possuem um passado honroso, sem nenhum tipo de comportamento que o desabone, mas quando chegam ao poder se transformam e passam a se comportar de forma totalmente sem ética.

Em economia, existe uma máxima que diz que os piores expulsam os melhores. Não se pode dizer categoricamente que isso seja verdade na política, mas é verdade que em razão da descrença da política por parte da sociedade, muitas pessoas que poderiam contribuir brilhantemente com municípios, estados ou a nação não o fazem. Isso deixa aberta a possibilidade de pessoas sem nenhum ou muito pouco compromisso com as pessoas em geral assumam cargos de grande importância, contaminando de forma irreparável o processo de escolha democrático dos dirigentes públicos. Desta forma, muita gente encontra na política a possibilidade de enriquecerem por meios de atos ilícitos. Além disso, a ganância, a falta de princípios éticos, a falta de punição severa dos atos de corrupção, o incentivo de pessoas corruptas podem levar pessoas que a princípio poderiam ser consideradas sérias a cometerem atos ilícitos.

Quem é eleito diretamente pelo público deve ter por este um respeito muito grande, agindo sempre objetivando o bem estar de todos e tendo como guia o programa e a plataforma pelos quais foi eleito. Para aqueles que desviam de conduta, a punição deve ser sistemática, rápida, forte e impiedosa. Isso levaria á diminuição da corrupção na política, os políticos trabalhariam com mais seriedade e respeito aos princípios éticos e mais pessoas realmente de bem entrariam na política. Desta forma, as pessoas em geral passariam a perceber que a atividade política é uma atividade ética, séria e muito importante para todos e que todos deveriam participar efetivamente seja direta ou indiretamente. A sociedade brasileira deve ficar muito atenta nas eleições que ocorrerão no ano de 2010. A responsabilidade será de todos os eleitores, todos já devem começar a pesquisar sobre os pretensos candidatos aos diversos cargos para que erros do passado não sejam cometidos.

 


 Argumentando com o amigo Ricardo 

Caro Ricardo,

O presidente Lula já provou que é um grande estrategista, um líder incontestável, um exímio negociador. A prova de tudo isto está nas alianças que conseguiu fazer e que lhe da sustentação política. O Lula inteligentemente não abre mão do apoio do PMDB (hoje o maior partido político do Brasil). Muitos dissidentes radicais do PT, como a Heloisa Helena (PSOL), não conseguiram entender a estratégia do presidente Lula e abandonaram o partido. Lamentavelmente, para se governar um país com a herança cultural de casos históricos de corrupção que temos, tem-se que fazer alianças, para que se consiga a governabilidade, coisa que o Collor, com sua arrogância, prepotência e falta de sensibilidade política não teve. Faltou-lhe inteligência para perceber que somente se governa com maioria. O radicalismo do Collor foi quem o tirou do poder. Lembra que o Lula falou que se Jesus Cristo tivesse que governar o Brasil, para ser obter sucesso, teria que se juntar até mesmo ao Judas? É mais ou menos isso aí!!! Você acha que a Heloísa Helena se sustentaria na presidência da república pregando calote ao FMI, expondo sua política reacionária de combate ao capitalismo e atacando a todos que não compartilhassem com suas idéias? Claro que não...o mundo muda, aliás, tudo muda e você tem que ter a sensibilidade de perceber tais mudanças e ter flexibilidade para encarar estas mudanças. Caso contrário, pague pelos seus erros, pague pelo seu determinismo radical e sofra as conseqüências de não saber conviver e respeitar a diferença dos outros. Collor conseguiu a proeza de unir contra si, a Rede Globo; a nata do PIB; as Forças Armadas; os partidos políticos tradicionais; a mão invisível do estamento patrimonialista, liderada pelas corporações sindicais do funcionalismo público; à esquerda; a sopa de letrinhas que gravitava em torno do PT (CNBB, CUT, UNE, OAB, ABI, etc.). Essa santa-aliança, manipulando imbecis de caras pintadas e velhinhos indignados, foi quem apeou o jovem pretensioso e arrogante do poder. Só mesmo um ex-adolescente brasiliense que passara a juventude aprontando impunemente nas noites entorpecentes da capital federal, para imaginar que conseguiria trombar de frente com 500 anos de patrimonialismo sem pagar o preço da ousadia.

    Frente a esse breve inventário do impeachment de Collor, pergunto: O interesse de quem Lula está contrariando? De ninguém relevante. Apenas de alguns oposicionistas corruptos e retrógrados que querem o poder a qualquer custo. Enquanto não contrariar os interesses dos integrantes da seleta lista acima - e o interesse do capital financeiro - Lula não corre risco de impeachment. Acho que respondi ao seu questionamento!!!

 

    Você diz que Lula não era um sonhador, que ele era apenas um sindicalista politizado. Discordo de sua posição, pois o Lula era sim um sonhador. Ele sempre sonhou com um país melhor!!!... Sonhador é alguém que não perdeu a esperança, então a partir do sonho ele faz metas reais para tornar o sonho possível...

     Você diz que o Lula não sabe ser vidraça. Claro que sabe...ele absorve todas as críticas com muito propriedade. Muitos somente falam mal dele e com total liberdade. Só não se pode é caluniar ferir a dignidade de alguém sem que não se tenha o direito de defesa.

 

Martin Luther King, pastor protestante e ativista político estadunidens, também era um sonhador!!! Sua famosa frase: I have a dream. “Eu tenho um sonho” que um dia esta nação se levantará e viverá o verdadeiro significado de sua crença - nós celebraremos estas verdades e elas serão claras para todos, que os homens são criados iguais. Conhecer e participarem de um sonho, de um projeto sempre foi o sonho de ambos, apenas um conseguiu está conseguindo realizar um pouco deste sonho quase impossível.

 

    Quanto aos aposentados do INSS, pelo que vi, entendi que a proposta seria que todos os benefícios da Previdência Social fossem vinculados ao índice de reajuste do salário mínimo. Hoje, o salário mínimo é reajustado anualmente pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC), mais a variação do PIB do penúltimo ano. Os benefícios pagos pelo Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) iguais a um salário mínimo seguem essas mesmas regras, mas os superiores são reajustados apenas pelo INPC. Portanto, o que eu quis dizer é que os 52% dos aposentados e pensionistas que já recebem o mínimo pago pelo INSS mais o restante, ou seja, 48% dos que pleiteiam estas mesmas vantagens formaria 100% deste contingente ou 25 milhões de pessoas que provavelmente seriam gratos ao atual governo e o ajudaria a eleger seu sucessor em 2010 e dar continuidade a esse trabalho que está sendo feito em prol do povo brasileiro.

 

     Como dito acima, o projeto do senador Paulo Paim PT/RS, é atrelar todas as aposentadorias à política de valorização do salário mínimo. Isto atingiria em torno de 25 milhões de aposentados e pensionistas. Você sabia que já no último mês de governo de FHC o valor do salário mínimo era U$ 56 e hoje é de aproximadamente U$ 286? Pois é, são 05 vezes mais... e que desde o início deste governo já se passaram quase 08 anos, e a moeda de 5 centavos não anda esquecida por aí? E que ainda tem seu valor? Não é só pela questão da valorização do salário mínimo e do controle total e absoluto à inflação no Brasil que o Lula tem tamanha aceitação, é principalmente pelas políticas sociais e distribuição de renda que ele implementou, adotou e ampliou. Sem se falar no respeito e admiração que o mundo tem por este operário retirante que se tornou presidente do Brasil e que o fez ser respeitado igualmente por todos os chefes de estado deste planeta.

 

     Outra coisa: a questão não é "quem dá aos pobres - não importa de onde venha - empresta a Deus", ou "achado não é roubado" ou ainda, "quem rouba de ladrão tem cem anos de perdão". A intenção real do governo é a de combater a fome, a desigualdade social.

     Através de seus programas sociais, 19 milhões de brasileiros saíram da linha da pobreza. A proposta é de inclusão social está funcionando satisfatoriamente. As estatísticas comprovam este fato. Os benefícios são destinados com um objetivo social, com toda a seriedade possível... mas que existem abusos é obvio. Infelizmente a corrupção ainda faz parte da vida dos brasileiros, está nas entranhas dos 03 poderes, mas vale a pena tentar, temos que acreditar e fazer o possível, reunir esforços para que este país dê certo.

    Quanto às mudanças que estão acontecendo no Brasil, concordo com você que não começaram hoje. Isto já vem ocorrendo desde que o Brasil existe. Mas de maneira tímida e de acordo com ideologias da época. Por exemplo, a atuação dos militares que tomaram o poder e governaram este país por quase 25 anos, foi o maior desastre de todos os tempos. Mas mesmo assim existiram políticas sociais, como a criação do FUNRURAL que deixou de existir a muito tempo, com a incorporação ao Sistema Nacional de Previdência e Assistência Social - SINPAS, que então passou a receber as contribuições devidas sobre a comercialização e a conceder os benefícios. Muitas outras políticas sócias foram adotados por vários governos inclusive no governo FHC, que Privatizou o País, e não implementou políticas sociais consistente.''. Não há comparação entre os investimentos feitos pelo presidente Lula na área social e o governo passado. Os programas anteriores eram localizados, sem consistência e sem controle de atendimento'', 'o governo FHC deu, no passado, uma contribuição importante à compreensão do Brasil, mas, infelizmente, foi um péssimo presidente. Não marcou. O governo dele não está presente no coração e na memória do povo, especialmente dos pobres. Privatizou o País, não implementou políticas sociais consistentes.'

   Na história deste país nunca tivemos uma política social com tanta consistência como no governo do presidente Lula. Não é a toa que ele foi eleito e reeleito democraticamente, pelo povo soberano e hoje, após 08 anos no poder, ainda goza de uma popularidade acima de 85%.

 

    Outra coisa, o presidente Lula, jamais faria apologia à corrupção! Ele não tão “burro” assim. As pessoas deturpam, teem idéias tendenciosas, e falam besteiras a vontade. A oposição é que diz que o Presidente Lula faz "apologia à corrupção". Às vezes a maneira como nos expressamos, inspira as mentes maliciosas e doentias a fazerem comentários maldosos desvirtuando a boa intenção do que se quer transmitir. O que o Lula disse, é que a corrupção sempre existiu em todas as esferas da sociedade, é um fato notório e ainda continuará existindo até que tenhamos consciência política para mudar este quadro através da educação e do voto consciente. 

    Não sei se você lembra..., quando o Collor confiscou nosso dinheiro, eu me lamentei com você e você me questionou se eu não estaria disposto a abrir mão deste dinheiro que havia poupado com tanto sacrifício, em prol do “suposto” benefício que isto traria a nossa pátria. Pensei um pouco e até concordei com você, mas naquele momento estava depositando todas as minhas esperanças em ver um país melhor, mais igualitário e mais humano. Acho que foi a partir daquele momento que me interessei mais pela política. Comecei a perceber que o pior de todos os analfabeto é o analfabeto político. Ele não ouve, não fala, nem participa dos acontecimentos políticos. Ele não sabe que o custo de vida, o preço do feijão, do peixe, da farinha, do aluguel, do sapato e do remédio dependem das decisões políticas. O analfabeto político é tão burro que se orgulha e estufa o peito dizendo que odeia a política. Não sabe o imbecil, que da sua ignorância política nasce a prostituta, o menor abandonado, e o pior de todos os bandidos que é o político vigarista, malandro, o corrupto e lacaio dos exploradores do povo."

PARABÉNS ao presidente Lula, que soube construir a mais sólida base de apoio que se tem notícia e que está realizando o sonho de milhares de brasileirinhos e brasileirinhas, fortalecendo assim nossas bases para no futuro possamos viver com mais dignidade. Ter consciência de direitos e deveres. Não somente conhecer os direitos e deveres, mas também distingui-los e respeitá-los. Vivenciá-los no dia a dia. Oferecer ao outro a mesma liberdade que busca para si. Viver em equilíbrio, respeitando o planeta como nossa casa e que deverá ser a casa dos que ainda virão. Possibilitar a sustentabilidade da vida para gerações futuras.

 

Sds

         Um forte e sincero abraço do amigo.

 

Leonardo Torres


Respondendo ao amigo Vial.

Meu caro e estimado amigo Vial, o texto é grande mas vale a pena ler...
 
Se você tiver um pouco de paciência vou tentar não justificar, mas fazer-lhe entender o porque alguns de nossos valentes compatriotas agiram com tanta convicção e ousadia à época da ditadura militar no Brasil.  O conflito durou oito anos, de 1966 a 1974. Apenas 1416 civis pegaram em armas, dentre estes estava nossa atual ministra da Casa Civil Dilma Roussef. Mas a  ousadia destes valentes guerreiros fez a ditadura tremer. No auge dos embates, entre 1968 e 1971, eles assaltaram 154 bancos e carros-fortes. Durante toda a luta, roubaram 3,8 milhões de dólares – valor que fez da guerrilha brasileira a mais rica do mundo na época. Também realizaram cerca de 40 atentados a bomba, seqüestraram oito aviões comerciais e quatro diplomatas (nunca antes, nem depois, um embaixador seria seqüestrado no Brasil). Um foco de guerrilha fez o Exército levar para a região do Araguaia, no atual Tocantins, 3200 homens em uma única operação. Foi o maior movimento de tropas em território nacional desde a Guerra de Canudos, no fim do século 19. Tudo em nome de uma ideologia, longe de serem criminosos comuns. Por traz dessas ações havia uma proposta, um movimento ideológico para libertar nosso país do caos que se alastrava em todo o país, dominado por uma DITADURA sangrenta, cruel, desumana, que prendia, assassinava dizimava pessoas, levando nosso povo à miséria e nos proibindo de viver em uma sociedade livre onde se pudesse lutar por seus direitos e expor suas idéias. Tudo começou, com essa DITADURA vergonhosa pela qual passou o Brasil que enfrentou de 1964 a 1985 um dos períodos mais obtusos de toda nossa história.
    A DITADURA militar no Brasil, imposta com apoio da burguesia nacional reacionária e com grande contribuição, inclusive bélica, do capitalismo estrangeiro. Para nossa sorte, existiam à época pessoas da estirpe de nossa atual ministra Dilma Rousseff, um ícone dos pensar tupiniquim para o entendimento do maior fenômeno histórico-nacional de nosso século XX.
   
Com a derrota do nazismo alemão, do fascismo italiano e do militarismo japonês para os aliados, as forças fascistas que cresciam no Brasil, em particular dentro do exército, perderam espaço para o conservadorismo “democrático” que a burguesia tradicional tanto desejava manter. Além disso, União Soviética e Estados Unidos saíram vitoriosos da guerra, cada um, porém, seguindo um caminho diferente do outro. Os EUA, defendendo a propriedade, o capitalismo e a liberdade como balizas fundamentais do crescimento econômica. Já a ex-URSS tinha sua ideologia solidificada no comunismo, buscando a horizontalidade nas relações econômicas e sociais, algo totalmente diverso do que os Americanos pregaria a partir da década de 50.
 Isto fez com que o mundo se dividisse, ao menos imaginariamente, em dois: uns países do lado dos Estados Unidos e seus dogmas capitalistas e outros, de maior proximidade ao poderio comunista da então União Soviética. E o Brasil, com seu papel estratégico na América do Sul, tinha a obrigação de se posicionar. Assim, os Estados Unidos fez de tudo para trazer os brasileiros para junto de suas convicções e anseios.
A campanha do comunismo como o monstro e causa de todos os males estava colocada e foi levada à exaustão pela mídia durante aqueles anos, apoiada por políticos e militares. Isso tanto é verdade e solidificou-se de tal maneira que no Brasil o medo dos ideais igualitários se tornou algo por demais assustador. De tão arraigado, qualquer um que cismar em falar de comunismo já será visto de forma estigmatizada e julgada sob pré-conceitos capitalistas ocidentais desprovidos de reflexão dialética, mesmo hoje em dia, com supostos ares democráticos nos embalando.
Com tudo isto, qualquer sinal de movimentação democrática nos anos que se seguiram foram massacrados aterradoramente pelo discurso do senso comum burguês, erguendo à condição de “comunista” toda e qualquer pessoa que defendesse os ideais democráticos e libertários que poderia crer. Por conta desta pseudoameaça foi instaurada no Brasil a “Revolução Brasileira” (que possui este nome entre os historiadores, dadas as suas características marcantes de uma revolução, da qual participava Dilma Rousseff, Gabeira, Genoino, Zé Dirceu e tantos outros). Com o propósito de “livrar o país do comunismo”, mergulhando a nação num dos períodos mais nebulosos e trágicos de toda a nossa história recente.
O golpe contou com grande participação do chamado imperialismo, devido ao plano de controlar os governos dos países latino-americanos, impedindo que a “praga comunista” os contaminasse, como “ocorrera” com Cuba, com a revolução socialista de 1959. Esse “controle” procurava manter governantes alinhados com a proposta imperial, isto é, de dependência ao mercado externo, e fortalecer as culturas primárias de exportação.
Com isto, vultuosas verbas orçamentárias dos Estados Unidos eram destinadas e tropas enviadas ao sul da América, para treinamento de soldados, práticas da tortura, etc. Mas todo esse dinheiro retornava à esperta família Sam através das vendas de produtos estadunidenses nestes locais, que se comprometiam – obrigatoriamente, diga-se – a adquirir os manufaturados do Império.
Com este cenário estabelecido, fazia mister criar as condições para ampliar os poderes obtidos com a derrubada do governo democrático de João Goulart e a subida do general Castelo Branco à Presidência da República. Justificados na burguesia que via a ditadura como uma benção ante o avanço democrático que vivia o país, os militares impuseram todo o tipo de arbitrariedade em suas ações. Governaram através de decretos-lei, sem precisar passar pelo Legislativo, expurgando funcionários públicos e políticos que ameaçavam os interesses do regime, ao mesmo tempo que mantinha uma relativa liberdade de imprensa e firmava pontes com posições amenas da esquerda nacional. Assim, Castelo Branco e a ala “branda” (se é que pode receber tal nome) da ditadura aumentavam seu poder.
Mas, como diria Sodré, o “aperfeiçoamento da ditadura” ocorreu em fins de 1968, com a instauração do mais conhecido ato institucional imposto durante o regime, o AI-5. Com isto, a ponte foi sabotada e todas as possibilidades de negociações entre governo ditatorial e oposição foram minadas com a extinção dos partidos políticos e a criação de mecanismos contra a realização de greves. Mesmo assim, para tentar demonstrar tolerância e também sabotar a articulação da oposição, foram criados dois partidos: a Arena (Aliança Renovadora Nacional) e o MDB (Movimento Democrático Brasileiro). Só que essa concentração do inimigo em um só dos lados seria prejudicial aos militares num futuro próximo.
Prosseguindo com as contradições, o Congresso era aberto e fechado à revelia dos mandatários, a imprensa fora censurada e as perseguições políticas intensificadas, com o aumento de torturas, assassinatos e desaparecimentos de pessoas, institucionalizando, assim, a violência contra quem ousasse questionar o regime. Tudo isso ocorreu principalmente durante 1969-74, período em que a ditadura mostrou sua face mais ríspida e também, como contraste, a pele mais graciosa de um crescimento econômico fictício.
Durante esse tempo os militares viveram em lua de mel com a burguesia reacionária. Isso porque, com o “milagre econômico” – plano de abertura total e irrestrita do mercado nacional, implementado por Antônio Delfim Neto, então Ministro da Fazenda, que possibilitou ao país crescer vertiginosamente – a classe média teve acréscimo substancial em seu poder aquisitivo, possibilitando comprar vários artigos importados dos EUA. Enquanto isso a população pobre se distanciava ainda mais nos índices econômicos das poucas pessoas que possuíam muito, acentuando perigosamente a desigualdade social.
 
 
A dívida externa atual começa a ganhar formas mais visíveis a partir do regime militar, antes do qual ela se resumia a apenas US$ 2,5 bilhões. Na realização do chamado "Milagre Econômico" do governo Médici (1969-73), ela passa para US$ 13,8 bilhões e, para o financiamento do II Plano Nacional de Desenvolvimento (que completou a "industrialização pesada" brasileira), ocorrido na gestão de Geisel (1974-79), ela seria aumentada para US$ 52,8 bilhões.
Devido ao primeiro choque do petróleo (em 1973), que triplicou os preços e aumentou consideravelmente a renda dos países exportadores deste produto, havia um excesso de petrodólares depositados nos bancos europeus, permitindo assim a oferta de capitais a custo baixo. Disto o governo brasileiro se aproveitou para concluir a industrialização do país, através do II PND. Porém, um pequeno detalhe passara despercebido pelos militares brasileiros: tais empréstimos tinham sido negociados a juros flutuantes.
Com o segundo choque do petróleo, em 1979, os preços desta matéria-prima foram novamente triplicados e, para atenuar os efeitos inflacionários desta alta, o governo americano aumentou a taxa de juros para empréstimos bancários de 5,7% para 18,8% ao ano, entre 1975 e 1984. Como resultado, o Brasil passa de recebedor para exportador de capitais, com o pagamento do serviço da dívida.
Tamanha reversão no quadro internacional foi acentuada por vários eventos ocorridos em 1982, em especial pelo pedido de moratória do México, que fez cessar o fluxo de financiamentos para o Brasil. Isto nos levou a recorrer ao Fundo Monetário Internacional, que nos concedeu empréstimos condicionados à sempre recomendada adoção das políticas anti-sociais, como o arrocho salarial e liberalização dos mercados (de bens e financeiros), o que viria a abrir as portas para o neoliberalismo dos anos 90.
No governo Figueiredo (1979-85), o país remete ao exterior US$ 21 bilhões a mais do que recebe, quantia esta conseguida às custas de um esforço exportador que nos trouxe a recessão e o arrocho salarial da "década perdida". Estas medidas nocivas visaram a contração da demanda interna, estimulando assim a destinação da produção nacional para o mercado externo. Tal ajuste também trouxe a inflação característica daquela década, à medida que, para favorecer a competitividade dos produtos brasileiros, necessitava de constantes desvalorizações cambiais.
Apesar de todo este esforço, e de termos nos tornado "exportador de capitais" no governo Figueiredo, neste período a dívida externa brasileira quase dobra, passando de US$ 55,8 para US$ 105,2 bilhões em 1985. O que viria a nos forçar uma moratória em 1987, por absoluta falta de reservas cambiais. A partir dali, seria feita uma série de negociações entre o governo brasileiro e os bancos credores, que devolveria ao Brasil o "mérito" de ser conhecido como um país bom pagador. Em 1994, outra reestruturação da dívida seria feita, envolvendo cerca de um terço do seu montante. Tal ajuste seria feito à luz da "iniciativa Brady", lançada pelo secretário do Tesouro Norte-americano em 1989, e também consistiria no reconhecimento de dívidas anteriores não pagas, que passariam agora a ser "honradas" integralmente.
Porém, uma nova reviravolta era observada no cenário externo, com a retomada dos fluxos de capital estrangeiro no início da década de 90. O que fez vários apontarem o "fim do problema da dívida externa". Para atrair estes capitais, o governo aumentou a taxa de juros interna paga a eles, que nos possibilitaram o pagamento do serviço da dívida a partir deste período. No entanto, além do fato de que isto não fez o estoque da dívida diminuir (ela passara de US$ 123,9 bilhões em 1991 para US$ 148,3 bilhões em 1994), esta capacidade de pagamento era apenas ilusória, pois se compunha, preponderantemente, de capitais de curto prazo que, como antes, poderiam sair do país caso ocorresse uma nova reversão da conjuntura internacional.
A partir de 1995, a intensificação da abertura comercial nos deixa ainda mais dependentes da entrada de capitais externos, agora não apenas para pagarmos a dívida, mas para podermos importar mercadorias do exterior. Há também, a partir deste momento, a desnacionalização da estrutura produtiva brasileira que, se de um lado, proporciona a entrada de capital externo para a compra de empresas nacionais, por outro, implica na excessiva importação de componentes (deteriorando ainda mais a balança comercial) e na remessa de lucros. Apesar do fluxo de investimentos diretos estrangeiros ter saído do patamar médio de menos de US$ 1 bilhão por ano na primeira metade da década para mais de US$ 20 bilhões na segunda metade, a balança de comércio passou de um superávit de mais de US$ 10 bilhões para um déficit de US$ 5 bi, e as remessas de lucros para o exterior, que antes eram de US$ 1 bi passam para US$ 5 bi. Em suma: vendemos o país em troca de 4 anos de importações.
Até 1997, nossas reservas em moeda estrangeira eram suficientes, porém eram mantidas preponderantemente pela vinda de capitais estrangeiros especulativos. E com as crises asiática (1997) e russa (1998), a conjuntura internacional mudou novamente. Os capitais - como sempre - fugiram e tivemos de recorrer novamente ao FMI no final de 1998. Como sempre, mais recomendações anti-sociais, recessão e desemprego.
Em 1999, a dívida externa brasileira era de US$ 241,2 bilhões, com uma novidade: agora ela é preponderantemente privada (esta parcela da dívida passa de US$ 55,1 bi para 141,2 bi somente de 1993 a 1999, representando 58,54% da dívida externa total neste último ano). Tal discrepância entre a taxa de juros doméstica e internacional estimulou as empresas nacionais a tomarem dinheiro emprestado no exterior para, além de investir na produção, também aplicar em títulos da dívida interna do governo (que pagavam bem mais que os juros internacionais). O que, além de obrigar o país a fazer um esforço extra para pagar juros ao exterior, com a já conhecida política recessiva de juros altos, gera o nocivo aumento da dívida pública interna.
Atualmente, o déficit na balança comercial foi zerado, porém, isto é anulado pelo aumento dos juros da dívida externa para US$ 15 bi. O que nos obrigará a adotarmos para sempre o infeliz slogan do governo: "exportar ou morrer", com todas as políticas anti-sociais subjacentes.
Tamanho pagamento de juros para o exterior, além de se dever ao referido aumento das taxas de juros internacionais na virada da década de 70/90, e ao aumento sem precedentes do endividamento externo da última década, se deve também à cobertura, pelo governo, do chamado "risco Brasil", que é o adicional cobrado pelos nossos credores quando estes nos fazem empréstimos. Tal adicional representa a maior parte dos encargos que pagamos ao exterior, e é justificado pelo fato de que os nossos emprestadores têm de compensar o risco de uma possível moratória do governo brasileiro. Porém, dado o histórico comprometimento total do governo brasileiro com o pagamento desta dívida - sendo que, nos únicos momentos em que este não pôde pagar, o FMI ajudou o país a pagar os credores - a existência deste "risco-país" somente pode ser justificada por uma estratégia de espoliação permanente realizada com sucesso pelos investidores internacionais.
Em suma: desde o período militar, a dívida adquiriu dimensões impagáveis, e não parou de crescer até hoje, mesmo com pagamentos anuais de juros da ordem de US$ 10 bi desde os anos 80, chegando a US$ 15 bi em 1999. Visto que, desta forma, a dívida já teria sido há muito tempo paga, mesmo com taxas de juros abusivas, e dado que ela foi contraída a juros flutuantes por governos militares, a necessidade de uma auditoria nesta dívida se torna clara.
 
Meu, caro amigo, o que os ditos revolucionários da época queriam, dentre estes a nossa digníssima Ministra Dilma Rousseff, era mudar este quadro de desmandos, de notória incompetência administrativa, de abusos e restrição ao direito de liberdade de nosso povo. Será que já esquecemos de nossos presos políticos, de quando foram torturados e mortos, das dores de suas famílias que até hoje buscam os corpos de seus entes queridos? A Dilma, não é uma pessoa simpática, até acho-a uma tanto arrogante, mas é competente, corajosa, séria e coerente em suas atitudes. Os atos que supostamente tenha cometido, foi por uma causa, por patriotismo, queria nos libertar das garras da DITADURA, e devolver a liberdade tão sonhada ao povo brasileiro. Foi uma luta muito desigual, mas felizmente os militares mergulhados em uma crise sem precedentes, começaram a ceder e com a ajudar daqueles que muitos estão vendo hoje como vilões, que na realidade são verdadeiros heróis, nos ajudaram a sair da época de uma história tenebrosa que viveu nosso país.
 
Desculpe, mas precisamos conhecer um pouco da história do Brasil, para nos posicionarmos e não voltarmos a cometer erros como no passado. É como diz o ditado: o brasileiro(a) tem memória curta!!!
 
Um forte e sincero abraço, do amigo que muito lhe estima.
 
  
Sds
        Leonardo Torres


REBATENDO CRÍTICAS AO PRESIDENTE LULA.

Meus caros amigos,

     Tudo em nossa vida é aprendizado e ensino. Só podemos ensinar aquilo que aprendemos. Seja em conteúdos, seja principalmente em valores.
Então a questão central é como estão vivendo hoje nossos irmãos brasileiros menos favorecidos? vivemos em um país melhor? melhoramos nestes últimos 08 anos? Infelizmente podemos perceber que existe uma lógica nos comportamentos neuróticos de alguns brasileiros, que torcem por um país desigual onde o "eu" é o mais importante, ou, que se "ferrem" os outros. Como dizem os holistas tudo se relaciona com tudo, não existe nada neutro em nossas vidas, portanto somos responsáveis pelo que pensamos, sentimos e fazemos.

    Amigos, vocês somente sabem falar mal do Presidente Lula, do seu governo e tudo mais. Reflitam sobre as coisas boas que aconteceram neste governo!!! Nunca houve em toda história deste país um governo que mantivesse uma inflação tão baixa e controlada, com os preços dos produtos caindo a cada ano, coisa que nunca existiu no passado e vocês preferem apenas criticar o Lula como se algum de vocês pudesse fazer alguma coisa no lugar dele. Temos 19 milhões de brasileiros que graças às políticas sociais do governo, através da distribuição de renda e outros planos sociais implementados neste governo e que deu a essa gente a chance de poder comer e viver com um pouco mais de dignidade. Um governo capaz de manter excelentes relações e ser admirado por chefes de estado como Barack Obama (USA), Mahmoud Ahmadinejad (IRÃ), Hu Jintao (CHINA), Dmitri Medvedev (RUSSIA), aliás, todos os países da América do sul e do mundo com diferentes ideologias. 

     O Brasil atravessou uma das maiores crises pela qual o mundo já passou, sem precisar aumentar preço de combustível, entrando por último na crise e sendo um dos primeiros a sair dela. Pagou uma divida externa, que parecia ser eterna e ainda emprestou dinheiro ao FMI. Fez da Petrobrás uma potência e tornou o País auto-suficiente em petróleo. A crise mundial em outros governos seria motivo para subir a inflação e o único setor que sofreu foi os exportadores que aproveitaram para demitir. Para mim uma sujeira, pois empresas exportadora tem muito dinheiro para atravessar crise sem ter que demitir.
Lula não implementou plano econômico mas manteve uma moeda de 5 centavos valendo por 8 anos, coisa nunca visto antes.
Você ouve nos jornais dizendo quanto o Brasil deve ao FMI?

    Olha, amigos, às vezes acho que as pessoas que falam mal deste governo são cegas ou têem outros interesses que não se afinam com os interesses da maioria da nação. Meu raciocínio parece não fazer sentido frente às opiniões de vocês. Eu sempre acreditei no Lula e não me decepcionei. Votei nele em todas as eleições que concorreu , e vi que este pais melhorou e se estabilizou oferecendo oportunidades para muitos de nossos irmãos brasileiros. Eu lamento que existe gente que prefere a miséria do povo para poder pisar sobre eles como fazia a elite em tempos de inflação.

     O maior “cancro” da sociedade, "a corrupção", não foi criada neste governo!!! quem mandou o Gilmar Mendes para o supremo não foi o presidente Lula. O chamado mensalão ...que não passava apenas de acertos entre parlamentares para aprovação de seus projetos em seus estados, são coisas que sempre existiram, mas nunca deixaram o povo saber. Enfim, nós nunca vivenciamos uma situação tão obvia de combate a corrupção. A polícia federal nunca teve tanta liberdade para trabalhar, os abusos e falcatruas nunca foram tão divulgados como neste governo. 

No governo Lula no combate à corrupção e ao crime organizado se deu na destacada atuação da Polícia Federal. Enquanto nos dois últimos de FHC ocorreram apenas 20 operações da PF, que resultaram na prisão de 54 pessoas, no atual governo estas ações especiais já chegaram a 183 e levaram à detenção 2.961 pessoas - média de 987 presos por ano, 36 vezes mais do que na gestão anterior. Entre os detidos por crimes contra o erário público estão 515 servidores e 130 agentes da própria PF. Algo inédito e impensável no Brasil, aonde só ladrão de galinha ia preso, no atual governo vários ricaços foram parar na cadeia - como a gerente da boutique de luxo Daslu, amiguinha de Geraldo Alckmin.

A atuação mais rigorosa da PF, elogiada em várias pesquisas de opinião, só foi possível porque o governo Lula investiu no órgão e aumentou seu efetivo. O orçamento do ano passado, por exemplo, foi de R$ 590 milhões, 74% superior ao do último ano de FHC. Já o número de agentes saltou de 9.289, em 2002, para 11.749, em 2005. Este reforço permitiu que o governo desmontasse inúmeros esquemas de desvio do dinheiro público, como na Operação Gafanhoto, em novembro de 2003, que desbaratou a quadrilha que, desde 1995, desviou R$ 1 bilhão de Roraima; Operação Vampiro, maio de 2004, que desmontou a máfia que agia há 12 anos no Ministério da Saúde; Operação no Asfalto, em novembro de 2004, que prendeu os chefes das principais quadrilhas fraudadoras de combustíveis; Operação Gabiru, em maio de 2005, que desmontou o esquema de desvio de verbas da educação; entre as outras operações especiais da PF.

Vamos parar de torcer contra o Brasil e trabalhar para que tenhamos um país cada vez melhor. Nós vamos morrer e o Brasil permanecerá abrigando novas gerações. Vamos torcer para que nossos irmãos brasileiros possam viver em um mundo melhor do que estamos vivendo hoje...

 

Sds,

Leonardo Torres


Sobre um vídeo que recebi do amigo Altevir

 

Meu Caro e estimado amigo Altevir,  

    Quanto a esse vídeo que você nos repassou, vamos analisar de uma maneira lógica, realista e pragmática. Há 20 anos atrás em 1989, (época dessa entrevista), o Presidente Lula, era um jovem sonhador, estávamos saindo de um período de trevas onde predominava a ditadura  militar que durou quase 25 anos massacrando nossa sociedade, destruindo ideais e exterminando lideranças que sonhavam com um país igual para todos, onde se pudesse exercer de fato o direito a cidadania, como o direito de expressão, o direito de viver com dignidade etc. etc. O jovem Luiz Inácio Lula da Silva, era um destes sonhadores e falou o que realmente gostaria de fazer. Estávamos vivendo outra época, ele tinha apenas um sonho, ele falou a verdade daquele momento. São momentos em nossas vidas! É fácil ser estilingue, o "difícil é ser vidraça". Hoje ele é presidente do Brasil, tem uma equipe de ministros que cuidam das finanças do país e esses ministros, que são pessoas responsáveis e competentes, como nosso Ministro Fazenda Guido Mantega, ao estimar os custos dos projetos do senador Paulo Paim (PT/RS), entre os quais o que corrige os benefícios pelo mesmo índice concedido ao salário mínimo, Mantega foi fatalista. – A crise não quebrou o Brasil, mas  o projeto Paim quebra – decretou o ministro. O presidente Lula confia em seus ministros e de uma maneira absolutamente responsável, mesmo sabendo do desgaste político que esta decisão poderá lhe custar, acata a orientação de seus ministros. Vejamos, teremos em 2010 eleição para presidente da república, somos mais de 25 milhões de aposentados em todo Brasil, você já imaginou quantos votos isso geraria para o atual governo. Fácil, não? Bastava o presidente Lula abraçar essa causa, o dinheiro não sairia de seu bolso, ele ganharia 25 milhões de aliados, gastava alguns milhões com a mídia para divulgar que seria o "pai da idéia" mostraria este mesmo vídeo que você nos enviou, diria que havia realizado seu sonho e entraria para a história, adorado por todos, reconhecido como o pai dos aposentados e presidente mais popular da história deste país. Ou será que ele seria tão "burro" que não perceberia isto? Ou tão sábio e responsável para preferir ver sua popularidade despencar, correr o risco não eleger seu sucessor,  a nos jogar no fundo do poço em um futuro próximo, satisfazendo sua vaidade pessoal, nos abandonando a nossa própria sorte? Eu gostaria, como todos os aposentados deste país, dentre eles incluo você,  que estivéssemos em uma situação privilegiada... como seria bom!!! mas também temos que ser responsáveis e continuarmos acreditando que nosso sacrifício um dia poderá render frutos e contribuir para realizar o sonho de milhões de brasileiros que anseia por dias melhores, mudando este quadro de desiguais resultados das políticas igualitárias que sempre fez parte da vida deste país e que hoje começa a mudar, graças aos ideais de uma minoria que sofreu os males de uma ditadura sangrenta e reacionária e que hoje conseguiu chegar ao poder e por em prática seus ideais. Como disse  mark Twain: Nunca se afaste de seus sonhos. Porque se eles forem, você continuara vivendo, mas terá deixado de existir.

 

Assista ao vídeo: http://www.youtube.com/watch?v=2YkXJ7Y5_7w  

Sds

         Leonardo Torres


 

Abaixo comentários meus, sobre um Artigo escrito pelo Arnaldo Jabor comentarista da Globo e enviado a minha pessoa pelo amigo Vial.

 

    Tenho por você imensa admiração e grande respeito. Você é um homem inteligente, muito bem informado, sabe usar o bom senso e teve o discernimento necessários para administrar sua vida e alcançar tanto sucesso em sua vida profissional. Por ver em você tantas quanlidades que são inquestionáveis, me causa grande surpresa seu posicionamento com relação as agressões e desacatos direcionados a pessoa de nosso presidente. Será mesmo que tudo que o Arnaldo Jabor falou é verdade? não dá pra desconfiar que são acusações tendenciosas? Veja bem: Temos um presidente eleito e reeleito democraticamente e hoje com aceitação acima de 85%. Seremos tão idiotas assim? Este mesmo presidente é querido e goza de grande prestígio, em todos os países do mundo. Nos países da América do Sul, tem excelente relacionamento com todos os presidentes, inclusive com os mais polêmicos como: Rafael Correia/Equador, Evo Morales/Bolívia e principalmente Hugo Chaves presidente da Venezuela. Este último maior dasafeto dos Estados Unidos no nosso continente. Todos nós sabemos de sua aproximação com estes líderes, mas mesmo assim nosso presidente é tido como "homem de paz, exímio estrategista e líder maior em nosso continente" e é respeitado como chefe de estado e representante do povo Brasileiro, onde tem recebido inúmeras honrarias, não apenas nos Estados Unidos da América, país mais importante e mais rico do mundo, mas também em países da Europa (Portugal, Itália, França, etc, etc., na África, Ásia, Oceania; em todos os continentes por onde passou foi recebido com todas as honrarias, respeito e carinho possíveis. Basta ler ou ouvir os noticiários de maior credibilidade, que teem compromisso com a verdade e respeita a nossa nação; não sou eu quem está dizendo!!!... Até mesmo com o presidente do Irã, desafeto maior dos Estados Unidos da América, o Lula tem bom, para não dizer excelente relacionamento. Será então que o mundo todo está contra o Brasil, o planeta está contra nós, é nosso inimigo e apoia, ignora, quer acabar com nossa gente, comungando com falcatruas, corrupção, desmandos, um massacres moral e desumano que esta cúpula do governo brasileiro impõe ao nossa sociedade? Não somos 03 poderes constituídos no Brasil? por quê será o Judiciário, o Legislativo que representa o povo através de seus parlamentares oposicionistas não tomam uma providência? Serão todos coniventes, também corruptos, omissos e querem juntamente acabar com todos nós? Será que a comunidade internacional é tão "burra", desinformada e se arrisca investindo em um país onde predomina o desmando, onde a corrupção é generalizada? Não... ao invés disso gozamos lá fora de grande prestígio, somos aos olhos do mundo uma economia estável, promissora e muitos países de toda parte do planeta querem investir hoje no Brasil. Nunca em nossa história fomos tão respeitados. Pagamos nossa dívida com o F.M.I,  Hoje somos a 8ª economia do mundo e até 2016 seremos a 5ª maior economia do planeta. Somos destaque o maior destaque dentre os países ditos emergentes. Segundo Henrique Meirelles, as nossas reservas internacionais alcançaram recorde, chegando a 222 bilhões de dólares em 2009, fato inédito na história deste país. O nosso salário mínimo, hoje tem poder de compra jamais visto em nossa história, temos vários programas sociais implementados com a boa intenção de favorecer aos menos favorecidos e que funcionam. Através do programas de transferência de renda implementado neste governo, mais de 19 milhões de brasileiros saíram da linha de pobreza, sendo que quatro milhões melhoraram de vida no ano passado. Estas sim, SÃO AS EVIDÊNCIAS QUE NOS FAZEM ACREDITAR QUE ESTAMOS NO CAMINHO CERTO. O que o povo (quero dizer) o que estes jornalistas que procuram notoriedade, com reportagens bombásticas, tendenciosas, teem que fazer, é divulgar o que de bom tem acontecido neste governo, é parar de falar bobagens, de praticar terrorismo psicológico e ajudar a construir este pais onde viverão nossos filhos, nossos netos e muitas gerações que ainda virão. Me recuso a acreditar que temos um governo tão corrupto, que tanto mal faz a nossa sociedade e ninguém, ninguém mesmo faz nada para mudar este quadro de tanta penúria, de tanto desmando como a que descreve o Jornalista e comentarista da TV Globo Sr. Arnaldo Jabor. No meu entendimento este senhor está subestimando a inteligência do povo brasileiro, acha-se o mais esperto de todos e faz muitas insinuações absurdas para de uma maneira irresponsável denegrir a imagem de nosso presidente. Ao contrário do que você falou, meu caro amigo Vial, hoje sim, é que temos liberdade de expressão, dizemos o que queremos e nada acontece; até mesmo atacar de forma tão violenta a figura do Presidente da República do Brasil, com insinuações maldosas, especulações e insultos pessoais. Oxalá todos um dia tenhamos a consciência de que o mais importante é a nossa pátria e que um dia todos morreremos e o Brasil continuará existindo e servindo de berço para as gerações vindouras, para nossos irmãos que encarnarão e aqui viverão em busca de seus sonhos e de uma vida digna onde possa viver em uma sociedade fraterna, com pessoas preocupadas em priorizar o trabalho sério, a valorizar o ser humano, a paz e a verdade. Quero e preciso acreditar que isto é apenas o início de uma grande mudança. Admito que existem erros que precisam e devem ser corrigidos, mas quem nunca errou que atire a primeira pedra!!!

 

Um forte abraço do amigo que muito lhe estima,

 

Leonardo Torres


Denúncias sobre o presidente Lula.

 

Caro Vial,
 
    O fato de o STF (Supremo Tribunal Federal) ter acolhido denúncias de envolvimento do  mensalão contra petistas e ex-colaboradores do governo não atinge a gestão do presidente Luiz Inácio Lula da Silva. O governo "já foi julgado nas urnas democraticamente", recebendo "aprovação consagradora", do povo brasileiro esse é o julgamento. Na democracia quem julga politicamente não são as pessoas, ainda que as opiniões sejam todas respeitadas. Quem julga na democracia é o povo soberano e o povo soberano reelegeu consagradoramente o presidente Lula.
    O mensalão é fantasia da cabeça doentia do Roberto Jerffeson. O que, acredito, ser possível  ter acontecido, seja acordos para facilitação, ou agilização para liberação de verbas do orçamento para emendas parlamentares. O que sempre foi comum em todos os governos ditos democráticos. Esse negócio de "pagamento mensal" a parlamentares é balela. O Roberto Jerffeson não tem credibilidade para fazer tal denúncia. Por quê será que ele somente resolveu falar depois das acusações que foram feitas contra ele? ou será que já esquecemos do caso "Maurício Marinho" que através de uma fita gravada, detalha um suposto esquema de corrupção nos Correios, qual trabalhava com o aval do Jerffeson que seria o cabeça da quadrilha? O dinheiro arrecadado com o esquema de corrupção seria usado pelo dirigente do PTB para engordar o caixa do partido, de acordo com as denúncias.

    Esse deputado que fez as denúncias foi militante da tropa de choque do presidente Fernando Collor e sobreviveu a momentos turbulentos da política nacional. Além do processo de impeachment de Collor, resistiu à outra CPI, a do Orçamento.

    Em 1993, o nome de Roberto Jerffeson foi citado entre os envolvidos no esquema de propina na Comissão de Orçamento. Em 1994, durante depoimento, Jefferson chorou por duas vezes, lamentando o fato de sua família ter sido exposta. Meu caro amigo, se formos dar ouvidos a tudo que escrevem por aí, nem Jesus Cristo escapa. Por isso o risco de se fazer uma análise realista dos fatos, com bastante informação e conclusões lógicas. Esse tal mensalão nunca será julgado antes de 2001. Por quê será?
 
Um forte abraço desse seu amigo que gostaria de ver as coisas darem certo neste país de tantos contrastes.
 
Um forte abraço,
Sds

Leonardo


 

Caros amigos ;

Infelizmente , para muitas das "viuvas do FHC", o Lula não tem nada a ver com isso ; a Lei 8213 é da era do governo anterior ao seu , de quem será ?
Abraços a todos ;
Armando,
 
É companheiro, mas já houvi o Arnaldo Jabor dizer que a culpa é do Lula...e muita gente acredita!!!
 
Sds
       Leonardo

Viste: http://www.previdenciasocial.gov.br/conteudoDinamico.php?id=22
 
Complementando os esclarecimentos...
"Auxílio-Reclusão
Marisa Helena D'Arbo Alves de Freitas
Docente do Departamento de Direito Público da Faculdade de História, Direito e Serviço Social de Franca
O "auxílio-reclusão" constitui benefício da Previdência Social, regulado pela Lei n.8.213, de 24 de junho de 1991, que visa a proteção dos dependentes carentes do segurado preso, impossibilitado de prover a subsistência dos mesmos em virtude de sua prisão.
Integrante da Seguridade Social, o "auxílio-reclusão" surgiu  na Lei Orgânica da Previdência Social, Lei n. 3.807, de 26 de junho de 1960, que ampliou o quadro de benefícios até então existentes.
É só acessar o site...
UM BELO ESTÍMULO PARA A BANDIDAGEM
E QUE SE Danem OS TRABALHADORES HONESTOS...

 AUXÍLIO Reclusão !?!?!?! SEGURO PRA BANDIDOS?! ?!

VOCÊS sabiam DO AUXÍLIO Reclusão?
Bandido com 5 filhos além de comer e beber nas costas de quem trabalha, comandar o crime de dentro das prisões ainda recebe auxilio de R $ 3.763,55.
Qual pai de família com 5 filhos recebe um salário igual suado??
QUE PAÍS É ESSE??
VOCÊS sabiam DO AUXÍLIO Reclusão?

(... E vamos lá pessoal ... não deixem de cantar o Hino Nacional, pelo menos 15 vezes ao dia ...)

Vocês sabiam que todo PRESIDIARIO com filhos tem uma bolsa que, a partir de 1/2/2009 é de R $ 752,12 , por filho para sustentar uma família, já que o coitadinho não pode trabalhar para sustentar os filhos por estar preso?
Mais que um salário mínimo que muita gente por aí rala pra conseguir e manter uma família inteira !!!!!!!!!!!!
  Ah, tá duvidando?!?!  (Portaria n º 48, de 12/2/2009, do INSS) (CONFIRA NO SITE 
http://www.previdenciasocial.gov.br/conteudoDinamico.php?id=22n< /span>( Auxílio-Reclusão)

A - Pergunta que não quer calar 1:
Por acaso os filhos do sujeito que foi morto pelo coitadinho que está preso recebem uma bolsa de R $ 752,12 para seu sustento?

B - Pergunta que não quer calar 2:
Já viu algum defensor dos direitos humanos defendendo esta bolsa para os filhos das Vítimas? É por essa e outras que a Criminalidade não diminui ... Ela dá lucro!

ESTE É MAIS UM DOS ABSURDOS QUE PROTEGEM OS BANDIDOS.
TEMOS QUE NOS PROTEGER COM GRADES, ALARMES E AFINS, ENQUANTO OS BANDIDOS ANDAM livremente PELAS RUAS, E, AINDA COM PROTEÇÃO DOS DIREITOS HUMANOS.
PRECISAMOS FAZER ALGUMA COISA, É MUITO DESCASO COM O CIDADÃO TRABALHADOR, QUE PAGA POR TODA ESTA imoralidade, TEMOS QUE ACABAR COM ESSA POUCA VERGONHA.
IMAGINE SÓ SE NÓS TRABALHADORES tivéssemos ESSES DIREITOS

 
--
Sds
Leonardo Torres


 

Respondendo ao amigo Benvindo,

 

    Todos nós temos a liberdade de escrever o que quizermos... com relação as "FARC" tenho a dizer-lhe que era um movimento político da Colômbia, enfraqueceu, perdeu apoio e virou grupo terrorista. Antes de praticar tantos abusos, tinha apoio de vários chefes de governo na América do Latina e também em outros países do mundo. Hoje este grupo está desesperado e sem apoio devido seus atos terroristas. Eles perderam o apoio e hoje estão praticamente sozinhos. Não vamos fazer ligações entre o governo brasileiro e este grupo decadente. Os intelectuais de plantão adoram fazer especulações, teem a imaginação muito fértil e acabam fazendo terrorismo psicológico. Escrevem um monte de bobagens...

    Não existe mais comunismo, o comunismo é um sistema falido, o que existem são fanáticos, grupos ideologicamente confusos, pessoas com ideologias ultrapassadas e mentes doentias. Os mais sensatos já entenderam o recado, hoje vivemos a era do capitalismo, vivemos em um mundo globalizado onde todos teem que trabalharem juntos, trocando idéias e procurando a cooperação mútua para o progresso de seus países. Infelizmente alguns governantes ainda relutam, apegados a um sonho de uma ideologia ultrapassada. Fidel acabou, seu irmão está aos poucos cedendo ao socialismo democrático propriamente dito, cedendo aos poucos ao capitalismo com a entrada no mercado Cubano de algumas empresas privadas, inclusive de outros países. Relutando ainda devido a presença de Castro, que felizmente está a beira da morte. Mas será apenas uma questão de tempo, já se foram 50 anos de revolução cubana desgastada e falida. Quando a URSS deixou de existir, cuba entrou em decadência, Castro relutou até levar o país ao caos, os ditadores são assim, nunca se entregam!... Seus cidadãos fogem desesperadamente. O comunismo retrógrado, com os ideais Castristas está em decadência. Alguns países asiáticos ainda resistem ao comunismo utópico, radical, linha dura que escraviza seu povo lhe tirando o direito à liberdade. Mas já estamos vendo mudanças significativas neste comportamento retrógrado, com uma tendência maior ao socialismo democrático.

    O Islamismo não é uma religião nova, hoje é cerca de um quinto da população do planeta, sendo a religião que mais cresce no mundo. Praticamente em todos os países do mundo existem adeptos (mulçumanos).

As atrocidades cometidas no Ocidente pelo terrorismo, tais como os ataques de 11 setembro de 2001 e os de Bali, Madri, Beslan e Londres, ajudam o Islã radical a alcançar sua meta de poder? claro que não, eles são contraproducentes. Isso porque o Islã radical tem duas alas distintas — uma violenta e ilegal, a outra legalista e política —, e ambas em tensão permanente. A estratégia legalista provou-se eficaz, mas a que aposta na violência se interpõe em seu caminho. A ala violenta faz-se representar, sobretudo, pelo fugitivo número um do mundo, Osama bin Laden. O popular e poderoso primeiro-ministro da Turquia, Recep Tayyip Erdoğan, representa a legalista. Portanto quando se fala em islamismo, como este artigo que você me enviou, sugere apenas o terrorismo e não é bem assim...Isto é o que eu chamo de terrorismo psicológico, que são histórias, artigos, contos, ou sei lá o que, só sei que muitos escrevem com muita competência e com muita facilidade induzem pessoas a acreditarem em suas histórias fantásticas. Só estou falando tudo isto para você ter uma idéia do teor do artigo que você me enviou. São suposições, não existem fatos e os que existem, são situações isoladas, que não vingarão jamais pois temos uma cultura diferente, nosso povo é um povo de boa índole e não existe espaço para terroristas em nosso meio. Amigo, estou falando tudo isto, apenas para questinar alguns pontos deste artigo que você me enviou. Existem apenas suposições, é mais um daqueles artigos especulativos e interessados em praticar terrorismo psicológico. Nos somos um país bastante sofrido, já passamos por uma experiência muito dolorosa que durou 24 anos que foi uma ditadura cruel e sanguinária.

    Nosso povo é um povo sofrido mas esperançoso... o nosso presidente Lula é uma pessoa, sensata e inteligente, foi retirante nordestino, operário, e teve uma vida dura, passou pelos porões da ditadura e viu o velho comunismo fracassar. Hoje é um progressista, homem do povo, com uma ideologia diferente, um neo socialista preocupado com seu povo. Um lider nato, um estrategista capaz de governar um país como o nosso, recheado de corruptos por todos os lados, em todos os partidos, e até mesmo no seu próprio partido o PT. Apesar de tudo, está bravamente resistindo e vai terminar seu 2º mandato. O presidente Lula é um sujeito bem intencionado; veja, por quê será, foi o primeiro a discordar de idéia de um terceiro mandato? Mais uma prova, que ele é muito diferente dos "Hugos Chaves" da vida...!!! Meu caro e estimado amigo, o mais importante é o Brasil, o nosso povo a nossa gente...não vamos acreditar em tudo que se escreve, porque cada um diz o que quer, e os maus brasileiros somente se preoculpam consigo mesmo, com o impacto bombástico de suas reportagens que lhe deixam em evidência, pelo menos até que a verdade venha a tona. Essas informação mesmo sem consistência, sem nenhuma base de sustentação, causa muita angústia nas pessoas e lhes tira o direito de pelo menos sonhar com um Brasil mais justo, mais humano e solidário com seus filhos menos favorecidos. Não nos deixemos enganar por pseudos defensores do pátria, por jornalistas irresponsáveis do nível do Boris Casoy, Arnaldo Jabor, Joelmir Beting e tantos outros burgueses que discriminam os pobres deste país.

Um forte e sincero abraço,

Sds

         Leonardo Torres


Caro amigo,

 
    Já havia lido este artigo do Arnaldo Jabor. É repetitivo, agressivo, fantasioso e desrespeitoso. A superabundância de palavras desagradáveis existentes neste artigo e que tendem desestabilizar o governo e atingir especificamente a figura do presidente Lula, busca senão chamar a atenção, não apenas da população com a intenção torpe de atingir a figura do presidente Lula, mas principalmente de mostrar um intelectual, muito bem informado, primoroso e preocupado em ser o melhor de todos e estar em sempre em evidência. Arnaldo Jabor é um homem muito inteligente e de palavras fáceis. Você por acaso já viu ele falar bem de algum presidente? seja do Brasil ou de qualquer parte do mundo? não..., eu pelo menos nunca vi!!! ele é uma pessoa extremamente polêmica, acha-se, como a grande maioria dos jormalistas, que tem o direito de escrever e falar o que bem entender sem se incomodar em denegrir a imagem das pessoas. Ele pode até ter o direito de dizer, mas também temos o direito de nós defender e foi apenas isto que o (STF) entendeu e acatou, suspendendo seu sua coluna. O silêncio de grande parte da imprensa a esse respeito, demonstra que ainda existem profissionais responsáveis e conhecedores de nossa legislação, dos direitos dos cidadãos. O que ele e muitos outros querem na realidade é noticiar, causar impacto, furo de reportagem etc, etc. Felizmente existe o bom senso e uma parte da justiça de nosso país que é séria e está ai para nós defender. Tudo que ele falou já havia sido noticiado, só que ele colocou mais "lenha na fogueira" para causar toda essa polêmica e aparecer como unanimidade e grande defensor da pátria. Existe, sim, muita corrupção todas as esferas de nossa sociedade e este é o maior flagelo, o responsável pela pobreza e sofrimento da maior parte de nosso povo, mas isto é uma herança antiga e que agora estamos tentando dizima-la. Não vai ser fácil pois a mídia confunde os direitos do povo com seus próprios interesses o que muitas vezes pode prejudicar toda uma nação e de uma maneira totalmente irresponsável, mas tenhamos fé em Deus que um dia nos libertaremos desse mal maior que é a corrupção e que é, repito, a maior responsável pela miséria e sofrimento de nosso povo. Temos que ter cuidado com esse tipo de jornalismo tendencioso, e que tanto mal tem causado as nações que adotaram a democracia como forma de governa e onde a imprensa tem um papel fundamental, mas também onde existem os clássicos charlatães de plantão, prontos para deferirem seus golpes com reportagens fantasiosas, enganando a boa fé das pessoas e causando-lhes grande mal.  
 
 
Um forte abraço,
 
 
Sds
Leonardo Torres


Quanto pagamos pelo segredo do vaidoso FHC e pelo silêncio da Globo?

O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB) reconhecerá oficialmente Tomás Dutra Schmidt como filho.

Tomás, que hoje tem 18 anos, nasceu da relação amorosa que FHC teve com a jornalista Mirian Dutra, da TV Globo.

De acordo com a reportagem, FHC consultou advogados e viajou na semana passada para Madri --onde vive a jornalista-- para cuidar do reconhecimento do filho.

O caso Miriam Dutra

A jornalista Mirian Dutra, da Rede Globo, retorna do exterior na quarta-feira. Ainda não se sabe se ela vai contar o porquê do recato e do silêncio nos 18 anos do seu exílio - a maior parte do tempo na Espanha. Revendo meus arquivos, encontrei: há alguns anos foi realizado no Fórum da Cidade do Rio de Janeiro o seminário 'DEMOCRACIA, IMPRENSA E JUDICIÁRIO' promovido pela Escola de Magistratura do Rio de Janeiro. Eis um registro: O assunto que rendeu mais controvérsia no Seminário foi a forma como a imprensa brasileira era condescendente com o Presidente da República... A questão entrou em pauta quando um jurista citou como exemplo de Conivência jornalística o romance do presidente Fernando Henrique Cardoso com a jornalista da TV Globo Miriam Dutra. Muitos advogados presentes ao evento não sabiam do fato e reagiram com surpresa e indignação quando um jornalista afirmou que toda a imprensa brasileira sabe disso. E naqueles oito anos de governo ninguém tocou no assunto. Muito antes de ser presidente, Fernando Henrique sempre foi um conhecido garanhão da política brasileira. As mulheres sempre ficaram encantadas com o seu charme e sua pose de estadista. Em Brasília, o escritório de FHC também era utilizado como garçoniére, para usar uma expressão da geração dele. Era no escritório-garçoniére que o então candidato à presidência da república mantinha encontros com uma de suas amantes, a correspondente da TV Globo em Brasília Miriam Dutra. Quando FHC cresceu nas pesquisas para presidente, a ambiciosa jornalista, pensando no seu futuro pessoal e profissional aplicou aquele velho golpe que louras oxigenadas costumam dar em pagodeiros e jogadoresde futebol. Deu uma 'chave ' em FHC e engravidou. A ardilosa jornalista passou a carregar um furo de reportagem em seu próprio ventre. Um filho daquele que seria o próximo presidente da República do Brasil. Ao saber que a amante estava grávida, Fernando Henrique entrou em pânico.Afinal, como diria outro Fernando, aquilo era nitroglicerina pura. FHCtentou convencer a amante a fazer um aborto mas ela riu na cara dele. A mulher não ia jogar fora o seu pé de meia, sua caderneta de poupança.. Foi aí que entrou em ação a operação abafa. Como ela era correspondenteda Globo, imediatamente foi transferida para a Espanha, com um salário milionário, sem obrigação de fazer nada. Apenas ficar calada e quietinha, cuidando do filho bastardo do presidente. Os advogados do seminário DEMOCRACIA, IMPRENSA E JUDICIÁRIO ficaram boquiabertos com a histór ia. Afinal, como a moça é jornalista, toda a imprensa sabe desse caso. O que surpreende é que nenhum órgão de imprensa publicou nada a respeito. É compreensível que o jornalismo da Globo não tenha tocado no assunto, até porque eles são parte envolvida neste escândalo. Sim, porque isso é um escândalo. Mas e a VEJA, que adora matérias sensacionalistas? E a FOLHA DE SÃO PAULO, que coloca o jornalismo acima de tudo? E a ISTOÉ, que adora publicar matérias escandalosas até sem confirmação? E a CARAS? E O DIA? E o ESTADÃO? E o JB? O que teria acontecido com os órgãos de imprensa nesse caso?Decidiram ser coniventes? Tiveram medo de noticiar o fato? Não quiseram tocar no assunto para evitar algum tipo de confronto com a Globo? Ou simplesmente foram corporativistas. Preferiram abafar o caso porque isso iria levantar uma questão que é muito cara a ética do jornalismo: a intimidade de profissionais do setorcom os donos do poder. Essas questões incendiaram a d iscussão sobre DEMOCRACIA, IMPRENSA E JUDICIÁRIO no Fórum do Rio. Nos corredores do fórum e nos bares docentro da cidade os advogados cariocas se dedicaram a fazer as especulações mais inusitadas. Alguns argumentaram que, o fato da amante e do filho de FHC serem dependentes econ�?micos do jornalismo da TV Globo, significa que o Presidente a República, durante seus oito anos de mandato foi refém da emissora do Jardim Botânico. E toda a imprensa brasileira foi conivente com isso. 'Deve ser por isso que o Fernando Henrique foi tão generoso com a Globo, no caso do empréstimo do BNDES', especulou um jovem advogado enquanto afrouxava o laço da sua elegante gravata Hermes. Um importante jornalista, presente ao evento, ainda soltou essa pérola: 'Nem na época da ditadura militar a TV Globo foi tão favorecida pelo governo quanto na era Fernando Henrique. 'Atualmente a jornalista Miriam Dutra vive na Espanha, com o filho caçulado presidente. Uma funcionária do jornalis mo global diz que às vezes ela liga para o Brasil a fim de fazer exigências, tratando a todos como se fossem seus empregados. 'Ela se comporta como se fosse a verdadeira primeira dama! 'Os jovens advogados presentes ao Seminário se sentem traídos pela imprensa por não terem notícias do jovem herdeiro do imperador FHC. Eles dizem que gostariam de saber como vive o pimpolho agora, que deve ter algo em torno de dez anos. Será que ele torce pelo Real-Madrid ou pelo Barcelona? Eles também gostariam de saber também quanto a jornalista Miriam Dutra embolsou com esse golpe. E qual o saldo de sua conta na Suíça... Waldir Leite - jornalista Vejamos o que diz Kika Martins a respeito do caso: 'Tomás Dutra Schmidt, filho não assumido de Fernando Henrique Cardoso e Miriam Dutra Schmidt (a Miriam Dutra, ex-repórter do Jornal Nacional em Brasília) nasceu no dia 26 de setembro de 1991, conforme certidão de nascimento do Cartório Marcelo Ribas (Brasília - DF). Vive hoje com sua mãe e tia em um dos mais caros e sofisticados bairros da Europa, em Barcelona. Agora se vocês querem saber como isso nunca foi notícia na grande imprensa, leiam Caros Amigos - ano IV número 37 - abril de 2000. A matéria é assinada por Palmério Dória e outros. O título é: 'Um fato jornalístico'. A pergunta é quanto custou este silêncio. A portaria do Ministério da Fazenda 04/1994, por exemplo, que isenta todos os meios de comunicação 'e sua cadeia produtiva' da CPMF [Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira] é só um começo de conversa. E o Proer da Mídia no final do ano 2000 custou US$3 bilhões ou US$ 6 bilhões, um ajuste de contrato. Agora bom mesmo é procurar no Siafi o quanto foi efetivamente gasto em propaganda no Orçamento Federal de 1994 a 2002'. Bom, acho que a conivência está, em parte, explicada. Mas que custou caro pra todos nós, isso é verdade. É por essa e por outras que a contribuição provisória (CPMF) foi rea justada no governo FHC: para cobrir isenções providenciais. Até parece que todos nós, brasileiros e brasileiras, somos pais dessa criança.

 Sds

Leonardo Torres


Caro amigo,

Vejam bem o que este sujeito publicou na internete: 

Resolvi ficar ao lado de Lula.....

Que me desculpem os meus amigos, e por favor não me critiquem, mas após
esfriar a cabeça e analisar melhor a situação atual, considerei
melhor... e mudei.... De agora em diante, ficarei ao lado do Lula!!!

Se eu ficar atrás... ele me caga.
Se eu ficar na frente... ele me fode!
Como não há alternativa, resolvi ficar ao lado dele...

ENTÃO, PENSANDO BEM, CONCLUI QUE QUANDO TUDO VOLTAR AO NORMAL...

   Será o dia em que:
- GENUINO será algo verdadeiro;
- GENRO apenas o marido da filha;
- SEVERINO apenas o porteiro do prédio;
- FREUD voltará a ser o só criador da Psicanálise;
- LORENZETTI será só uma marca de chuveiro;
- GREENGALGH voltará a ser um almirante que participou de nossa história;
- Dirceu, Palloci, Delúbio, Silvio Pereira, Berzoini,Gedimar, Valdebran,
  Bargas, Expedito Veloso, Gushiken, etc, serão simples presidiários.
- E LULA APENAS UM FRUTO DO MAR.

Agora, quando olho meu titulo de eleitor, entendo o verdadeiro
significado de  "ZONA ELEITORAL".

 

Minha opinião sobre o que este elemento escreveu: 

Isto é o que eu chamo de covardia anônima. Que triste, quem és tu, ó remetente covarde que não tem coragem nem de se identificar? Se não é capaz de mostrar a cara, porque ao menos não argumenta? Porque não se identificar e mostrar que é uma pessoa digna que tem opinião e não uma incógnita perdida no mar da internet?    A prática, indução ou incitação de discriminação ou preconceito de raça, cor, etnia, religião ou procedência nacional, por meio da Internet, constitui crime punido com reclusão de 2 (dois) a 5 (cinco) anos e multa, conforme determina a Lei 7.716/89 em seu artigo 20, § 2°.
 
    O cara foi covarde demais para não se identificar, e burro demais para fazer piadas de péssimo gosto, mostrando total despreparo. Não conhece absolutamente nada da vida das pessoas citadas. É um pobre coitado!!! por causa deste tipo de gente aindaestamos nesta penúria. Mas vamos levar com bom humor...isso somente serve para nos divertir.
 
Sds
       Leonardo


RESPONDENDO AO AMIGO CACÁ,

Caro Cacá,
 
    Você é uma pessoa inteligente e sabe muito bem que para se governar um país com a herança cultural de casos históricos de corrupção que temos,  tem-se que fazer coligações, acordos ou sei lá o que...mas o fato é que ou se procede assim ou torna-se impossível a governabilidade (ver o que aconteceu ao Collor). Como disse o Lula, se Jesus Cristo tivesse que governar o Brasil, para ser bem sucedido, teria que fazer acordos até mesmo com Judas. É verdade, um governo democrático, para ter sustentabilidade, tem que fazer alianças e ter aliados políticos, para aprovar suas propostas e governar de fato. Não me decepcionei nem um pouco com o Lula, tudo que ele está fazendo está correto, as alianças, seus aliando, mesmo os corruptos mais conhecidos como Zé Sarney, Renan Calheiros e tantos outros. O Lula está usando seu Feeling de grande negociador e conseguindo trabalhar graças aos votos de seus aliados políticos. Por exemplo:  o PMDB, que historicamente tem sido um refúgio de corruptos, mas por ser o maior partido político do Brasil, o Lula inteligentemente não abre mão de seu apoio, e nós temos que ter a sensibilidade de perceber esta estratégia política do nosso presidente. Acredito estarmos no caminho certo, as mudanças são visíveis, estão aí as estatísticas que comprovam nosso avanço principalmente no campo social. As mudanças serão lentas, pois estamos lutando contra uma sociedade onde predomina a cultura do "ser honesto é ser idiota", ou do mais esperto que deve levar vantagem e se dar bem em tudo e sobre todos, desreipeitando os direito de seu próximo, etc. etc. , estamos cercados por um "magote" de políticos retrógrado e corruptos; mas Lula com sua inteligência está conseguido enganar a todos os canastrões e devolver aos poucos a cidadania aos nossos irmãos brasileiros menos favorecidos.
      Temos uma oposição irresponsável, como a do Arthur Virgílio, A.C.M Neto, Álvaro Dias, Zé Agripino e tantos outros que querem o poder a qualquer custo. Segundo o raciocínio dessa turma, nada que este governo faz está correto e o que está dando certo foi iniciado no governo F. H.C. ou antes dele. Amigo, não nos deixemos enganar..., como disse o Barack Obama "Esse é o Cara".  Obviamente, nem Lula nem ninguém neste planeta é perfeito, somos seres humanos e os seres humanos não são infalíveis!  É verdade, existe corrupção em todos os níveis da sociedade, nos partidos políticos, nos 03 poderes em geral, e obviamente no PT, mas que não percamos a esperança, a mudança será lenta mas com o entendimento de uma parte consciente da sociedade poderemos sim, mudar este quadro de penúria e desigualdade social em que historicamente viveram e vivem nossos irmãos brasileiros. Estamos no caminho certo, a oposição tem que cumprir seu papel de fiscalizar, mas nunca de atrapalhar um trabalho bem intencionado como este que está sendo feito em favor do nosso povo. Quando repasso E_mails, com charges ou artigos com teor de críticas que considero obsurdas e que fazem menção ao nosso presidente, é porque confio no senso de humor de meus amigos e acredito em sua consciência política e que jamais se deixaram influenciar por qualquer um, que escreve o que lhe vem a cabeça e de uma maneira totalmente irresponsável como tem feito alguns de nossos comentaristas políticos ditos mais respeitados da mídia nacional como o Joelmir Beting, o Arnaldo Jabor dentre outros. Quero e prefiro acreditar que todos os erros atribuídos especialmente a figura de nosso presidente, seja mero engano e que mesmo que não viva o suficiente para ver as mudanças tão esperadas e desejadas, aconteçam no mais curto espaço de tempo possível, pois queremos mais qualidade de vida para nosso povo, mais respeito, dignidade e cidadania plena.
 
Abraços,
 
Leonardo Torres


Fotos Leonardo

/album/galeria-de-fotos-pagina-inicial/leo-by-leo-jpg/
/album/galeria-de-fotos-pagina-inicial/a1-114-jpg/

—————